Breves
Inicio | Ambiente | Câmara de Aljezur quer mais fiscalização ao campismo e caravanismo selvagens na Costa Vicentina

Câmara de Aljezur quer mais fiscalização ao campismo e caravanismo selvagens na Costa Vicentina

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A Câmara de Aljezur aprovou uma posição pública que pede uma maior fiscalização e mecanismos de punição efetiva para infrações relacionadas com a prática de campismo e caravanismo selvagens no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV).

A autarquia algarvia divulgou hoje uma tomada de posição aprovada na terça-feira em sessão de Câmara “sobre o campismo e caravanismo selvagem na Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano” – território classificado pelo valor ambiental e pertencente à Rede Natura 2000 e à Reserva Ecológica Nacional – a apelar a uma revisão do Plano de Ordenamento do Parque Natural para tornar mais eficaz o combate a essa prática.

A Câmara de Aljezur critica “o impacto negativo da prática de campismo selvagem” no território” e salienta que “esta imagem é contrária ao modelo de gestão pretendido para as áreas com elevada sensibilidade ecológica”.

A mesma fonte considera que “o território detém especificidades muito próprias” regidas pelo Plano de Ordenamento do Parque (POPNSACV) e que esse documento “urge ser revisto, atualizado e adequado”, apesar de já proibir “a prática de campismo selvagem, seja ele em autocaravana, caravana, viaturas ou mesmo tendas”.

A autarquia lamenta que o processo de contraordenação atualmente em vigor para punir o campismo e caravanismo selvagem seja “moroso e sem eficácia imediata, revelando-se infrutífero”, e defende a alteração da punição para uma multa, “que deverá ser paga na hora” para “tornar mais eficaz a atividade fiscalizadora das várias entidades capacitadas para o efeito”, nomeadamente a GNR, a Unidade de Controlo Costeiro da GNR, os Vigilantes do PNSACV e a Polícia Marítima.

É necessário também, segundo a autarquia, criar sinais de trânsito percetíveis e divulgar “de forma eficaz as regras de utilização” do parque natural.

“É fundamental que quem nos visita perceba que se encontra num local ‘especial’, que obriga a um comportamento ‘especial’, que tem de ser tratado de forma ‘especial’. Uma campanha de comunicação bem elaborada e eficaz, que deve passar a mensagem da valorização do território, bem como dos seus condicionamentos nas utilizações diversas, fará minimizar o sentimento existente de total impunidade e total sentido de utilização lascivo e despreocupado”, defende a Câmara de Aljezur, na tomada de posição.

A autarquia pede também para ser feito um “reforço na fiscalização, com ações concertadas pelas quatro entidades capacitadas para o efeito, sendo fundamental para este objetivo a alteração para o pagamento de multas imediatas, deixando o processo de auto de notícia” e posterior contraordenação.

“Estes são os problemas identificados nesta matéria de modo a contrariar a tendência de utilização desregrada e as soluções de modo a criar regras e ações a serem implementadas para o solucionamento da proliferação da utilização da frente mar como um parque de campismo selvagem que traz inevitavelmente com ele a existência de ‘provas menos agradáveis’ da presença humana que deixam um impacto negativo no território”, propõe o município.

A Câmara de Aljezur sublinhou, no entanto, que é necessário criar respostas adequadas para “canalizar, regrar e ordenar esta oferta turística” e agilizar mecanismos que permitam ultrapassar “os condicionamentos dos instrumentos do território” na viabilização de projetos do género.

Verifique também

Regadio no Algarve sem restrições, mas próximo ano pode ser difícil

As culturas de regadio no Algarve não estão a ser afetadas pela seca, mas pode …