Breves
Inicio | Igreja | Igreja matriz de Portimão reabre ao culto após 8 meses de grandes obras (com fotos)

Igreja matriz de Portimão reabre ao culto após 8 meses de grandes obras (com fotos)

Após oito meses de encerramento para obras de recuperação e restauro, a igreja matriz de Portimão reabre amanhã ao culto, dia 5 de março, embora os trabalhos nos anexos (sacristia e cartório) e exterior do templo continuem previsivelmente até à Páscoa.

O edifício, exemplar do período tardo-gótico português, é o mais notável da cidade de Portimão, datado do século XV e reconstruído após o terramoto de 1755.

Inicialmente previa-se que a intervenção se limitasse sobretudo à substituição do telhado, mas com o andar da obra outras necessidades foram sendo verificadas (ver abaixo resumo das intervenções realizadas) e a principal operação realizada foi mesmo a consolidação da estrutura da igreja que ameaçava rutura.

Segundo o pároco da matriz de Portimão foi preciso “cintar” o edifício. “Foram aplicados esticadores (que não são visíveis porque estão por cima da sanca) cintando a parede a frontal à posterior. Serão também colocados outros esticadores para cintar o edifício a partir das duas paredes laterais”, explica o padre Mário de Sousa, assegurando que a torre “está desprender-se do edifício e a arrastar uma parte do mesmo”.

Integrado neste trabalho de consolidação estrutural foi ainda reforçado o grande vão da fachada e a reparação de uma fenda, provocada pelo sismo que em 1969 abalou todo o Algarve, que separava a parede tardoz do resto do edifício.

Para além desta intervenção e da aplicação de novos telhados – com renovação das madeiras, aplicação de subtelhado e de isolamento térmico –, foi ainda realizada a desinfestação e tratamento ou substituição das madeiras dos altares, de forma a travar a avançada destruição feita pelo caruncho e formiga branca, que já ameaçava a talha artística e que destruiu mesmo o arcaz da sacristia do qual só se salvou o frontal.

A destruição dos insetos xilófagos propagou-se também ao coro alto motivando a substituição da sua estrutura e de praticamente todo o seu madeiramento. “Quando se começou a intervencionar o coro, reparou-se que os barrotes de madeira estavam não só podres, mas partidos”, relata o sacerdote, considerando que o estado de degradação da igreja leva a crer que “poderia ter ocorrido alguma situação grave”, sobretudo ao nível do desprendimento de alguma madeira do teto ou do coro.

Foi construído um novo estrado de pedra no altar-mor (substituindo o provisório de madeira), aplicada uma nova passadeira central em pedra e removidas as divisórias de pedra e ferro entre a nave central e as laterais.

O pároco diz que as obras deverão orçar em cerca de 800 mil euros. A Câmara de Portimão, que inicialmente tinha aprovado um subsídio de 150 mil euros para financiar os trabalhos, acabou por se responsabilizar também pela renovação da instalação elétrica e da iluminação, o que deverá totalizar cerca de 225 mil euros.

Para além deste apoio da autarquia, também a Bouygues Imobiliária responsabilizou-se pelo arranjo exterior do edifício (ver notícia) que não estava previsto e que deverá ascender a cerca de 170 mil euros e a Junta de Freguesia de Portimão pelo restauro e recuperação dos quatro altares laterais.

Assim sendo, não deverá chegar a 400 mil euros o montante que ficará a cargo da paróquia de Nossa Senhora da Conceição da matriz de Portimão, que informou ter angariado até ao momento cerca de 200 mil euros de donativos de entidades bancárias, empresas e particulares. De acordo com a paróquia, nos últimos dois meses o valor destas contribuições aumentou em mais do dobro. “As pessoas têm sido de uma grande generosidade porque se reveem nesta obra, pois também sentiam a sua necessidade. Durante o inverno estávamos a celebrar Eucaristia com alguidares e baldes por todo o espaço sagrado”, recorda o padre Mário de Sousa.

O prior acrescenta que existem ainda “promessas” de contribuições que ainda virão e que, do valor total da obra, a paróquia deve apenas pouco mais de 100 mil euros. “Não vai ficar nenhuma dívida para as gerações vindouras. Se num ano conseguimos conjugar vontades e meios, conseguiremos também nos próximos tempos fazer face a essas despesas e entregar o edifício restaurado às novas gerações para que dure pelo menos outros 500 anos”, afirma.

O pároco espera que os trabalhos terminem a tempo das celebrações pascais. “Interessa-nos sobretudo ter a igreja disponível aos fins de semana porque as pessoas não cabem na igreja do Colégio [para onde se transferiu temporariamente o culto], sobretudo ao sábado, na missa da catequese”, lamenta.

A reabertura da Igreja ao culto será marcada por um programa de eventos que têm início já hoje e se prolongam pelo dia de amanhã (ver notícia).

Samuel Mendonça

Resumo das intervenções realizadas

– novos telhados, com renovação das madeiras, aplicação de subtelhado e de isolamento térmico, assim como de nova telha;
– novo forro de madeira, enriquecido com cimalhas e frisos dourados;
– picagem de todo o interior da igreja e aplicação de novo reboco e pintura;
– completa substituição das instalações elétrica e sonora e nova iluminação;
– instalação de detetor de incêndios;
– substituição da estrutura e de praticamente todo o madeiramento do coro alto;
– novo estrado de pedra no altar-mor e nova passadeira central em pedra;
– limpeza de todas as pedras, com remoção de cimentos e de tintas;
– aplicação de molduras de pedra nas janelas;
– novas janelas motorizadas para permitir a circulação do ar;
– reparação da fenda provocada pelo sismo de 1969;
– aplicação de esticadores de forma a “cintar” a Igreja;
– reforço estrutural do grande vão da fachada;
– trasladação da sacristia para o seu lugar original e enriquecimento da divisão;
– renovação de todos os anexos da igreja;
– recuperação do marmoreado dos altares laterais e do guarda-vento;
– restauro do retábulo e teto da capela-mor;
– reparação dos estuques e pintura do teto da capela-mor e aplicação das cimalhas condizentes com o retábulo;
– colocação de um vitral com a imagem de Nossa Senhora da Conceição (padroeira) na janela do arco triunfal;
– desinfestação e tratamento ou substituição das madeiras dos altares, de forma a travar a avançada destruição feita pelo caruncho e formiga branca.

Neste momento, está a proceder-se à total renovação do reboco exterior da igreja, à pintura das paredes e tratamento de toda a cantaria.

Verifique também

Sínodo para a Amazónia foi “laboratório do que se pretende para a Igreja e para o mundo” [c/vídeo🎦]

O teólogo Juan Ambrosio considera que a Amazónia “é um laboratório do que o papa …

Folha do Domingo

GRÁTIS
BAIXAR