Pub

A ‘Missão País’ de estudantes da Universidade do Algarve (UAlg) no concelho de Alcoutim espera realizar-se no próximo ano de 20 a 27 de fevereiro.

A iniciativa teve início em fevereiro de 2020, levada a cabo por 41 estudantes da UAlg, e este ano não se pôde realizar no terreno devido à pandemia de Covid-19.

Em 2022, devido às condições pandémicas, o número de missionários será reduzido para apenas 36 elementos, sendo intenção da organização conseguir equilibrar o número de rapazes e raparigas, e os participantes deverão apresentar obrigatoriamente certificado digital de vacinação ou de recuperação da doença.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

No passado dia 2 deste mês abriram os registos no site da ‘Missão País’ e as candidaturas serão realizadas na próxima quinta-feira, 9 de dezembro. “Preenchem com os vossos dados e esses dados ficam guardados apenas para no dia 9, se tiverem a certeza de querem ir à missão, se candidatarem”, explicou Carolina Emídio na sessão de esclarecimento que decorreu no passado dia 2 deste mês, online e presencialmente, na faculdade de Economia da UAlg.

“Quem já participou em missões, é só atualizar os dados”, complementou aquela estudante de Farmácia, acrescentando que as candidaturas funcionarão num sistema de “fila de espera”. “Podem entrar e ficam com uma senha e vai-vos ser dito a quanto tempo é que estão de conseguirem entrar no site. Depois de entrarem no site têm cerca de 10 minutos para se candidatarem. Se ao fim desses 10 minutos não se candidatarem, voltam para o fim da fila”, explicou Carolina Emídio, acrescentando que, no momento da candidatura, aparecerão muitas faculdades e universidades para escolha. “Têm de escolher no mínimo três. Se quiserem ir para a nossa missão põem a nossa em primeiro”, referiu, adiantando que as colocações serão divulgadas no dia 15 de dezembro.

A ‘Missão País’ é um projeto católico criado em 2003 a partir do Movimento Apostólico de Schoenstatt (embora hoje seja independente) que organiza e desenvolve missões universitárias a partir de várias faculdades de Portugal. São semanas de apostolado e de ação social que decorrem durante três anos consecutivos no período de interrupção de aulas entre o primeiro e o segundo semestres, divididas em três dimensões complementares – externa, interna e pessoal – em que o primeiro ano consiste no “acolhimento”, o segundo na “transformação e o terceiro no “envio”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Este ano vai ser o ano da ‘transformação’ e arrisco a dizer que é um dos anos mais importantes porque a comunidade já nos acolheu e agora é continuar a conquistá-los”, afirmou a chefe geral, referindo-se a 2022 que terá como lema ‘Coragem! Levanta-te que Ele chama!’ e explicando que 2021 não contou como segundo ano.

“Este lema é bastante importante porque o ano passado tivemos Covid e este ano vamo-nos levantar, vamos voltar a fazer missão, devemos ter coragem para isso”, afirmou Carolina Emídio, que considerou também que “quem vai à missão tem de ir de coração aberto”.

Também chefe geral, Gonçalo Brito adiantou o que os participantes poderão esperar daquela semana. “A experiência vai um instrumento nas mãos de Deus que vai desencadear um conjunto de transformações interiores que vão ser compreendidas por cada um de nós no final da semana”, afirmou, tranquilizando que apesar de a mesma ser a primeira semana do segundo semestre, os participantes terão as faltas justificadas.

Pub