Pub
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O bispo do Algarve apelou ontem a um maior compromisso com as vocações consagradas.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

D. Manuel Quintas falava à noite na igreja das Ferreiras, na eucaristia de início da cadeia de oração permanente ao Santíssimo Sacramento (lausperene) que a Igreja Católica algarvia promove anualmente desde 2004 para pedir a Deus vocações de consagração, tanto no sacerdócio como na vida religiosa ou nos institutos seculares.

O prelado lembrou que “rezar pelas vocações significa comprometer-se a favorecer as vocações” e “apoiar” e “não a desanimar”, “a desencorajar” ou “a pôr logo obstáculos que os próprios não põem”. “Muitas vezes é isso que acontece”, lamentou.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O bispo diocesano considerou que estes 15 anos de realização do lausperene têm ajudado na consciência da corresponsabilidade em relação às vocações de consagração. “Este tempo de oração tem servido para nos sensibilizar a todos, não só para rezar pelas vocações, mas também para sabermos que também somos corresponsáveis todos pelo surgimento das vocações, pelo apoio das vocações e pela fidelidade daqueles que o Senhor chama”, afirmou.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Esta noite não precisais de motivações para rezar pelas vocações. Sei bem que já o fazeis, até durante todo o ano. Mas é importante que a celebração de mais este tempo de lausperene possa alicerçar ainda mais esta nossa convicção. E, por isso, gostaria que este tempo fosse, para nós e para toda a diocese, vivido não como um peso, mas com alegria de podermos unir-nos nesta cadeia que vai envolver toda a diocese, procurando ter presente sempre o pedido que Jesus fez: «Pedi ao Senhor da messe que mande trabalhadores para a sua messe»”, começou por afirmar na eucaristia de ontem, a que se seguiu o arranque da adoração eucarística que se prolongará até dia 15 deste mês.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O bispo do Algarve lembrou que a diocese tem dois bispos, 60 padres e 10 diáconos permanentes. Dos 60 padres, 40 são diocesanos e os restantes 20 são religiosos: 4 redentoristas, 4 jesuítas, 4 franciscanos, 4 dehonianos, 3 espiritanos e 1 da Fraternidade da Mãe de Deus. Dos 40 diocesanos, 6 já estão retirados, quase todos com mais de 80 anos.

D. Manuel Quintas constatou que os sacerdotes a trabalhar no Algarve estão sobrecarregados. “Todos eles têm trabalho que dava para dois ou mais ainda. Isto é um facto”, referiu, dando como exemplo o dos últimos três ordenados, cada um com todas as paróquias de um concelho à sua responsabilidade.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

No final da celebração, o padre Vasco Figueirinha, da equipa formadora do Seminário de São José de Faro, que promove anualmente a cadeia de oração ininterrupta ao Santíssimo Sacramento, 24 horas por dia, agradeceu a “generosidade na oração” das paróquias algarvias. “Que através da vossa generosidade, ao entregarem o vosso tempo, possais fazê-lo de coração como gesto de amor Àquele que nos dá tudo. Se pedirmos com fé e confiança ao Senhor, Ele concede as vocações de que nós necessitamos”, afirmou.

Aquele formador explicou que neste momento o Seminário do Algarve tem dois rapazes da Diocese de Évora no ano propedêutico. “Este ano não entrou nenhum do Algarve”, constatou, acrescentando que no Seminário de Faro está mais um seminarista a completar o curso de Teologia. O padre Vasco Figueirinha acrescentou que no Seminário Maior de Évora estão três seminaristas e explicou que o elenco dos seminaristas algarvios encerra-se com um último elemento a frequentar o estágio pastoral na paróquia de Albufeira.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O lausperene decorre no âmbito da Semana dos Seminários que se realiza a nível nacional de 10 a 17 deste mês sob o tema “O Senhor não pensa apenas naquilo que tu és, mas em tudo aquilo que poderás chegar a ser”, inspirado na exortação apostólica pós-sinodal ‘Christus Vivit’ do papa Francisco.

Assegurado pelas paróquias que constituem as quatro vigararias de Loulé, Portimão, Faro e Tavira, pelas comunidades, congregações, grupos e movimentos católicos da diocese algarvia, segundo o programa divulgado pela Diocese do Algarve, o lausperene terminará no dia 15 deste mês com a celebração na igreja matriz da Luz de Tavira, pelas 21h.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Pub