Pub

Neste fim de semana recheado de atividades para os participantes, no âmbito da celebração do ano Internacional do Voluntariado, os mesmos tiveram oportunidade de viver o imaginário da Reconquista do Algarve, de debater ideias sobre o serviço à comunidade, criando planos de ação, delimitando as áreas nas quais poderão participar e marcar a diferença na sociedade atual

Além da normal ordem de trabalhos e discussão de ideias, os participantes tiveram oportunidade de passar das palavras aos atos, tendo dedicado parte da atividade ao serviço voluntário. Assim, as várias equipas prestaram ações de auxílio ao próximo, através da animação junto dos utentes da Santa Casa da Misericórdia local, na decoração da localidade das Fontes da Matosa, através da elaboração e pintura de desenhos, da limpeza do Rio Arade, desde a zona da Cruz de Portugal até à zona da Fissul, da plantação de sobreiros na área próxima da Subida Impossível e também da realização de diversas atividades na Quinta Pedagógica, desde a alimentação de animais até à limpeza do local.

Esta iniciativa foi organizada pela Equipa de Projeto algarvia, composta por Caminheiros, com o apoio da Junta Regional do Algarve do CNE e da Câmara de Silves, que destaca a oportunidade de a mesma ter contribuído para uma participação mais ativa dos jovens escutas na comunidade.

Refira-se que o Cenáculo Nacional é um projeto implementado em Portugal há cerca de nove anos, e que decorre das orientações da 33.ª Conferência Mundial, realizada em 1993, que definiu como prioridade estratégica do Escutismo Mundial a promoção do envolvimento dos jovens nos processos de tomada de decisão a todos os níveis do movimento.

A nível nacional são promovidos anualmente três encontros (no mínimo), sendo os dois primeiros denominados por Cenáculo e o terceiro por Cenáculo Aberto, participando neste último os representantes das regiões que participaram nos dois primeiros encontros e dos representantes que transitam para o ciclo seguinte, permitindo, assim, a renovação da Equipa de Projeto e dos participantes. O resultado da reflexão nacional é trazido para cada região para a realização de um Cenáculo regional.

Embora já se tivesse querido implementar esta iniciativa no Algarve, ela nunca chegou a ter sucesso. O chefe regional do CNE, José João Cercas, disse à FOLHA DO DOMINGO que quis que o Cenáculo fosse implementado no Algarve e que o mesmo nunca conseguiu ser antes realidade porque havia dirigentes que não acreditavam no projeto.

Samuel Mendonça

Pub