Pub

"Temos este ano um número recorde de 240 praias, mais 14 do que no ano passado, o que é muito significativo. Depois do inverno que tivemos e depois de tudo o que aconteceu na Madeira conseguimos manter este número recorde", disse hoje o presidente da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), José Archer.

Para o responsável, este número recorde de praias com Bandeira Azul deve-se à preocupação de todos os portugueses em preservar a orla costeira.

"Há uma preocupação das entidades no investimento e nas infraestruturas que colocam nas praias, dos concessionários na forma como gerem as praias e das pessoas na forma como as utilizam", afirmou.

José Archer lembrou que a atribuição da Bandeira Azul é também um "programa de educação ambiental" e sublinhou que "ao fim de 20 anos o comportamento mais adequado está intrinsecamente em cada pessoa".

O presidente da ABAE defendeu que ainda é possível melhorar, mas considerou o número alcançado este ano de praias com Bandeira Azul é muito satisfatório.

"Estamos acima dos 50 por cento de praias com Bandeira Azul, o que é uma percentagem muito boa. É de longe, dos países do sul da Europa, o que tem a maior percentagem de praias com Bandeira Azul", disse.

Para José Archer, este é "o resultado de um ótimo trabalho".

Este ano, a região norte vai hastear 56 Bandeiras Azuis (mais 13 do que em 2009).

O aumento deve-se à candidatura de sete novas praias (Silvade, Fraga da Pegada, Angeiras Norte, Pedras Brancas, Azul, Leça da Palmeira e Gondarém), sendo ainda de registar sete regressos (Vila Praia de Âncora, Frente Azul, Rua 37, Paramos, Suave Mar, Fão-Ofir e Valadares Sul) e uma saída (Congida).

O centro terá 19 bandeiras, mais uma do que em 2009, devido à reentrada da praia de Esmoriz.

A região do Tejo registou a maior descida, com menos 11 bandeiras atribuídas em relação ao ano passado, devido à saída de três concelhos: Sintra, Cascais e Figueiró dos Vinhos.

No Alentejo foram galardoadas 23 praias, mais duas do que em 2009, devido à reentrada da Fonte do Cortiço e Califórnia.

O Algarve continua a ser a região com maior número de Bandeiras Azuis, tendo sido contempladas 69 praias, e é também a região que mais aumentou o número de praias galardoadas (mais 15 do que em 2009).

No sul do país há três novas praias com Bandeira Azul (Galé Oeste, Arrifes e Batata), a saída de duas (Pego Fundo e Faro Ria) e a reentrada de 13 distribuídas pelos municípios de Vila do Bispo (oito praias) e Silves (duas) e ainda Fuseta-Mar, Salgados e S. Rafael.

Na Madeira, apesar dos danos causados pelas derrocadas, o número de Bandeiras Azuis diminuiu em cinco nas praias e uma em marinas, tendo um total de 16 praias contempladas.

Os Açores foram a única região que manteve o número de praias galardoadas com 28 Bandeiras Azuis, resultado de duas saídas (Escaleiras e S. Lourenço), uma reentrada (Fogo) e uma nova (Baía do Refugo).

Irão ainda hastear a Bandeira Azul 14 marinas, menos uma do que em 2009, oito das quais no continente: Porto de Recreio de Oeiras e Parque das Nações (Lisboa e Vale do Tejo), Tróia e Porto de Recreio de Sines (Alentejo) e quatro no Algarve.

Mantém-se cinco marinas nos Açores e uma na Madeira.

As Bandeiras Azuis são atribuídas anualmente a praias e portos de recreio que cumpram um conjunto de critérios de natureza ambiental, de segurança e conforto dos utentes, informação e sensibilização ambiental.

Lusa

Pub