Pub

Para além destes, receberão os sacramentos da iniciação cristã mais dois catecúmenos que hoje não puderam ficar para a celebração da eleição. Um número inferior aos 52 do ano passado – que foi excecional relativamente à normalidade –, mas ainda assim superior à média dos anos anteriores que tem sido de cerca de 26 catecúmenos.

Os adultos, que vieram agora confirmar a sua intenção de querem ser cristãos, irão celebrar o Batismo, o Crisma e a Eucaristia na Vigília Pascal das respetivas paróquias e, para isso foram aceites pelo bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, depois de propostos pelas comunidades paroquiais de Ferragudo (1), Ferreiras (3), Luz de Lagos (1), Matriz Portimão (5), Mexilhoeira da Carregação (2), Paderne (1), Parchal (2), Pedra Mourinha (2), Quelfes (1), Salir (1), Sé (3), Silves (4), Vila do Bispo (4).

Estes homens (17) e mulheres (13), respetivamente com uma média etária de 30 anos e 25 anos, – sendo que os homens têm idade entre os 18 e os 46 anos, enquanto as mulheres tinham entre os 16 e os 31 anos –, iniciaram uma nova fase do seu catecumenado – a purificação e iluminação, – deixando de ser catecúmenos para passar a ser eleitos, ou seja, escolhidos.

A Igreja tem um percurso próprio para a iniciação cristã dos adultos que começa com um período de pré-catecumenado, com a manifestação do primeiro desejo de ser Batizado Segue-se o tempo de catecumenado, ligado de maneira particular à catequese, ao conhecimento da pessoa de Jesus, da Igreja e das verdades da fé cristã. Este tempo termina com o Rito de Eleição dos catecúmenos e a partir desse dia, a preocupação com os adultos já não é de ordem doutrinal, mas de ordem espiritual. São então convidados a uma caminhada mais intensa de ordem interior. Seguidamente à receção dos sacramentos da iniciação cristã, com o Batismo, a Confirmação e a Eucaristia, os neófitos (novos filhos) iniciam um período de Mistagogia em que são inseridos na vida da Igreja.

Dirigindo-se a cada catecúmeno que com ele se reuniu numa sala anexa ao Seminário de São José, em Faro, D. Manuel Quintas começou por observar que a eleição dos catecúmenos “tem um significado muito grande para toda a Igreja” e que é “cada vez mais frequente encontrar pessoas adultas que querem fazer a sua iniciação cristã”. “Começa a ser frequente, em países como o nosso, encontrar pessoas que assumem a opção de serem batizadas”, disse, sublinhando que “o importante é colocar-se nesta atitude de escuta dos apelos de Deus” e que, quem é batizado, “entenda o significado” dessa opção.

Ao longo do encontro com os candidatos à iniciação cristã falou sobre o sentido da Páscoa, incluindo a simbologia do período de preparação que a precede – a Quaresma – e da caminhada de iniciação cristã (catecumenado), recuperada após o Concílio Vaticano II, que explicou ter origem nos primeiros séculos do Cristianismo. D. Manuel Quintas incentivou os catecúmenos a “progredir no bem, não só na Quaresma” e elucidou sobre o significado do jejum, da esmola e da partilha neste tempo litúrgico.

Mais tarde, na Sé Catedral de Faro, acompanhados pelos seus padrinhos – garantes nesta sua caminhada de fé –, os candidatos, depois de apresentados pelo diácono Luís Galante, delegado diocesano do Catecumenado, aproximaram-se do Bispo diocesano. Após terem sido interrogados, padrinhos e candidatos, os segundos inscreveram em livro próprio o seu nome, gesto que confirma a sua vontade em receber os sacramentos da iniciação cristã. Antes, na homilia, o bispo do Algarve lembrou que “ser cristão e ser batizado significa abrir a vida a Deus e aos outros” e exortou-os a um maior aprofundamento e relação com a Palavra de Deus.

Os eleitos irão agora, durante os próximos domingos da Quaresma, celebrar nas suas paróquias os escrutínios e a tradição das entregas do Credo e do Pai-Nosso e na Vigília Pascal, mãe de todas as vigílias, completarão a sua iniciação sacramental.

Samuel Mendonça

Pub