Pub

O presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, explicou que o objetivo da manifestação nacional realizada entre o quartel dos bombeiros Municipais e o Governo Civil cumpriu esse duplo objetivo, mas também visou voltar a alertar as autoridades para os problemas criados pela junção de bombeiros municipais e voluntários.

"Vimos manifestarmo-nos com o desejo de nos solidarizarmos com os Bombeiros Municipais de Faro, porque há uma organização que foi constituída pelo presidente da câmara que não corresponde à deontologia profissional dos bombeiros e não dá garantia cabal de que a segurança se mantenha com estas novas mudanças", afirmou o dirigente.

Fernando Curto acrescentou que, nos últimos meses, reuniu-se "com o presidente da câmara e com várias entidades, desde o ministro da Administração Interna ao Governo Civil, a quem foi entregue um dossier detalhado dando conta das irregularidade legais e operacionais que acontecem nos Bombeiros Municipais de Faro desde a criação de uma tal FOCON”.

A FOCON não está prevista mos moldes que o presidente da câmara a implementou. Temos obrigação deontológica, por um lado, de nos manifestarmos em solidariedade com os nossos camaradas e, por outro, de dizer à população de Faro que se acontecer alguma situação inoperacional a culpa não é nossa", sublinhou.

O dirigente da ANBP enumerou alguns dos problemas, desde “serviços de socorro pagos mais caros, falta de utilização do quartel dos bombeiros voluntários, piquetes mistos, constituídos por bombeiros voluntários e profissionais, em que os voluntários saem às 19:00 e dessa hora até terminar o turno, não se sabe quem fica de serviço".

Em termos da organização do socorro não sabemos como ela é feita. Como é que, e com o devido respeito, um chefe de um bombeiro voluntário, sem ser da minha carreira, consegue organizar o socorro?", questionou.

Fernando Curto disse ainda que “há uma ilegalidade, porque a lei diz que nos municípios em que há bombeiros profissionais cabe a eles a responsabilidade jurídica e profissional".

O protesto terminou depois no Governo Civil de Faro, onde a governadora, Isilda Gomes, recebeu das mãos de Fernando Curto e de outros dirigentes dos bombeiros um memorando com as preocupações que a ANBP e o SNBP têm vindo a manifestar sobre a criação da FOCON, por decisão do presidente da câmara de Faro, Macário Correia, em dezembro de 2009.

Lusa

Clique na foto para vê-la maior

Pub