Pub

Segundo Gonçalo Dias, responsável pelos jovens nesta paróquia, “a comunidade envolveu-se por inteiro, mantendo todas as noites vigílias de oração que interpelaram, à contemplação, reflexão e introspecção de um símbolo de dor, tortura e morte, que foi utilizado por Jesus para se entregar por nós”.

Durante a semana, esta paróquia meditou ainda, em questões como: “Quantas vezes passamos pela cruz de Cristo e não a entendemos? Quantas vezes a cruz de Cristo passa por nós, em cada um dos nossos irmãos, e não nos damos conta? O que posso eu fazer para atenuar a cruz dos meus irmãos que sofrem, especialmente os Haitianos?”. Numa acção de resposta a estas perguntas que “foram algumas das realidades com que nos cruzamos nestes dias”, Algoz apelou à generosidade das pessoas, fazendo “um pequeno peditório pelas vítimas do Haiti, local onde a cruz de Cristo é mais visível.”, acrescentou aquele responsável à FOLHA DO DOMINGO.

Na última noite, esta paróquia organizou uma vigília de “oração simples, que foi marcada pela liturgia das horas, pelos cânticos de Taizé, pela escuta da Palavra e pelo maior dos encontros com Deus, o silêncio do coração. A igreja encontrava-se à luz de velas, estando a cruz iluminada. Os jovens estavam no chão sobre mantas e tapetes, o que permitiu uma proximidade muito especial com a Cruz e com os outros participantes.”

No final desta cerimónia, a Cruz foi entregue à paróquia da Guia, onde permaneceu até dia 12 de Fevereiro, altura que foi entregue à paróquia de Pêra onde estará até à próxima sexta-feira, dia 19.

Esta entrega aconteceu na igreja matriz, numa vigília presidida pelo pároco Manuel Condeço, prior da paróquia da Guia, com a presença de uma centena de pessoas, vindas das paróquias de Algoz, Silves, Pêra e Guia.

O presidente da celebração destacou a importância da Cruz para os adolescentes e o desempenho destes, durante toda a semana.

A responsável da catequese, Paula Simões, adiantou à FOLHA DO DOMINGO que “foi com algum sacrifício que conseguimos realçar o quanto é para nós a Cruz de Cristo”, no entanto, salienta que “esta iniciativa foi muito positiva para fazer movimentar os nossos adolescentes, uma vez que não há jovens na paróquia de Guia”.

Lúcia Costa

Pub