Pub

Esta reunião nacional anual, participada por todos os grupos que compõem a JUFRA enquanto movimento juvenil e caminho de discernimento vocacional, tem como objetivo fazer uma paragem para avaliar o que foi vivido no ano que terminou e programar o que é que se quer viver no ano que se inicia.

O Encontro Plenário, que teve lugar nas instalações do Seminário de São José, em Faro, sob o tema “Procura a Paz e segue seus caminhos”, foi participado por seis dos sete grupos da JUFRA existentes em Portugal, dos quais fazem parte cerca de uma centena de jovens. Oriundos das dioceses do Porto, Leiria e Lisboa, os jovens franciscanos juntaram-se aos membros da JUFRA do Algarve que preparou o encontro e a todos acolheu logo na sexta-feira à noite.

A temática escolhida tem a ver com a celebração mundial, por toda a família franciscana, dos 25 anos do “Espírito de Assis”, que advém do histórico encontro promovido, em 1986, pelo Papa João Paulo II com os líderes das religiões mundiais. “Queremos muito reviver a ousadia de João Paulo II e redescobrir como é que podemos ser instrumento de paz como São Francisco”, explicaram à FOLHA DO DOMINGO Vanessa Antunes e Teresa Oliveira, do Secretariado Nacional da JUFRA, que proporá a todos os grupos a celebração de uma vigília de oração do “Espírito de Assis”.

Para além desta comemoração, outra das atividades que marcará o ano pastoral 2011-2012 será a celebração dos 800 anos da fuga de Santa Clara, em memória da sua decisão de abraçar com a mesma radicalidade a forma de vida evangélica de São Francisco. Esta efeméride será assinalada com algumas iniciativas que procurarão aprofundar o espírito clariano.

Já as atividades mais significativas, realizadas no ano que agora terminou, foram a Peregrinação a Fátima da Família Franciscana, o Dia Nacional, por ocasião do aniversário da JUFRA, o Retiro da Juventude Franciscana e o Encontro Internacional da JUFRA, em Madrid, uma iniciativa que antecede sempre as Jornadas Mundiais da Juventude.

O Encontro Plenário contou ainda com a presença do bispo do Algarve. D. Manuel Quintas, que lembrou o trabalho de apoio da JUFRA algarvia às paróquias da serra, considerou muito importante, numa diocese, a existência de grupos associados a institutos religiosos. “São expressão de dons e carismas partilhados com movimentos, associações ou ordens que significam um enriquecimento para a Igreja local e são, ao mesmo tempo, um apoio muito grande para que os leigos vivam, de maneira mais intensa, a sua própria vocação”, afirmou o prelado, reconhecendo que o Algarve “é uma diocese muito necessitada de gente que viva intensamente a sua fé e que marque pela diferença o facto de ser cristão”.

D. Manuel Quintas lembrou que “hoje a Igreja é enriquecida por todos aqueles que são franciscanos” e desejou que o encontro sirva para um maior compromisso com a espiritualidade, o espírito e os valores que caracterizaram a vida de São Francisco. “Os valores franciscanos não se gastam com o tempo e são, continuamente e em todo o mundo e em todas as culturas, inspiradores de uma vivência mais autêntica da própria espiritualidade cristã”, afirmou.

O Encontro Plenário, que contou também com as presenças do frei Pedro Santos e da irmã Maria do Céu, assistentes nacionais da JUFRA, teve ainda continuidade com uma vigília de oração na Sé de Faro, aberta a outros jovens da diocese, e terminou no domingo de manhã, após a Eucaristia na igreja de São Francisco.

Samuel Mendonça
Pub