Pub

A ideia que esteve em cima da mesa, na iniciativa que teve lugar no Centro Novas Oportunidades da Santa Casa da Misericórdia de Albufeira, foi a de reunir os contactos de particulares e de instituições que já se dedicam no Algarve ao apoio à mulher grávida em dificuldade de forma a melhorar a coordenação e agilizar o trabalho de apoio e defesa da vida.

A criação e divulgação de uma linha aberta para atendimento permanente, 24h por dia, foi também uma das iniciativas sugeridas, assim como a colaboração com um médico que, no âmbito desta rede, possa acompanhar tecnicamente de perto as situações que surgem com recurso a meios apropriados de diagnóstico.

Para além da apresentação do estudo da FPV com base nos números divulgados pela Direcção Geral de Saúde e da intervenção do deputado Jorge Bacelar Gouveia, durante a manhã, Luís Henriques, da Caritas Diocesana do Algarve, apresentou ainda o SOS Vida e o Lar da Mãe, duas valências daquela instituição, sendo que a primeira é uma das duas entidades algarvias federadas na FPV e este ano já acolheu quatro mães em risco de aborto.

Aquele responsável destacou o SOS Vida e Lar da Mãe como “realidades complementares”, sendo esta última uma “valência preferencial” da Caritas, e explicou que o Lar da Mãe, criado em 2 de Maio de 2003, destina-se ao acompanhamento da mulher desde a gravidez até quatro meses após o parto, não recebendo exclusivamente casos via SOS Vida.

Samuel Mendonça

Pub