Pub

© Luís Forra/Lusa
© Luís Forra/Lusa

O Algarve foi a região turística do país que em 2013 registou mais proveitos globais dos estabelecimentos hoteleiros, tendo obtido um resultado de 609 milhões de euros, mais 4% do que em 2012, indica o Turismo do Algarve.

O ano turístico de 2013 na região do Algarve encerrou com subidas de hóspedes, de dormidas, de proveitos e na taxa de ocupação hoteleira, lê-se no editorial do boletim trimestral do Turismo do Algarve divulgado hoje.

O documento, enviado à agência Lusa, indica que o Algarve faturou “609 milhões de euros” em proveitos globais nos estabelecimentos hoteleiros, ou seja, mais 4% do que em 2012.

“Esta terá sido (…) a cereja no topo do bolo, já que o turismo foi o setor que mais contribuiu para a balança comercial do país em 2013 e que o Algarve foi a região que mais o impulsionou (o destino representou 31,1% dos proveitos totais da hotelaria nacional)”, lê-se no boletim trimestral.

No âmbito da capacidade de alojamento na hotelaria global, o número de camas disponíveis aumentou 0,8% em 2013 relativamente a 2012, passando de 106.625 para 107.462 camas.

O maior aumento de camas foi verificado na tipologia “Hotéis” (+4,4%), seguindo-se as tipologias “Aldeamentos” (+2,5%) e “Apartamentos” (+0,7%). Em contrapartida, a tipologia “Hotéis-Apartamentos” apresentou um decréscimo de 4,4% em relação a 2012.

Quanto ao número total de hóspedes registados, em 2013, na hotelaria global do Algarve totalizou cerca de 3,15 milhões, mais 3,6% do que em 2012.

“A maioria dos hóspedes registados foi estrangeira (2,22 milhões), conquistando uma quota de 70% do total (+ 1,5 pontos percentuais do que em 2012). Os hóspedes portugueses diminuíram 2,3%, tendo sido registados cerca de 0,93 milhões em 2013”, refere o documento.

Em 2013, verificou-se um aumento do número de hóspedes em todas as tipologias de alojamento, com exceção da tipologia “Aldeamentos Turísticos”.

Houve uma “ligeira diminuição do número de portugueses” hóspedes registados na hotelaria global do Algarve, embora representem uma quota de 30%, enquanto os cidadãos do Reino Unido são os “hóspedes estrangeiros com maior representação no Algarve, tendo mesmo sido reforçada a sua posição face ao total, atingindo uma quota de 28,1% e ficando, assim, mais próximo da posição ocupada pelo mercado português”.

No campo das “Dormidas”, o número total em 2013 na hotelaria global do Algarve aumentou 3,5% em relação a 2012, para aproximadamente 14,82 milhões de dormidas.

A maioria das dormidas foi de hóspedes estrangeiros (11,4 milhões), enquanto as dormidas dos portugueses voltaram a ser menores do que no ano anterior.

A estada média dos hóspedes na hotelaria global do Algarve manteve-se, em 2013, nas 4,7 noites. Os hóspedes estrangeiros pernoitaram no Algarve, em média, 5,1 noites, mais 1,5 noites do que os hóspedes portugueses (3,6 noites).

Pub