Pub

“Só quando eu descubro o amor gratuito de um Deus que dá tudo por mim é que eu sou capaz de dar tudo por Ele”, sustentou o sacerdote na iniciativa, promovida pelo Secretariado da Pastoral Vocacional da Diocese do Algarve na igreja matriz de Olhão.

“A vocação é a resposta de me sentir chamado por Alguém que me ama e não de alguém que impõe uma coisa. Se eu não vir a experiência do amor, nunca serei capaz de dar aos outros o amor. Só seremos verdadeiramente vocacionados quando nos deixarmos amar”, acrescentou o padre Flávio Martins, evidenciando que “a vocação não é outra coisa senão viver o amor”.

Neste sentido, o sacerdote advertiu que “ser padre, freira ou casado não é nada se não houver a resposta ao amor”. “É apenas um mero funcionário que cumpre algumas coisas, mas não é capaz de viver o amor”, considerou.

O sacerdote desafiou então as cerca de 30 pessoas presentes a “fazer a experiência da fé e do amor”. “Só quem reza na fé e no amor poderá esperar alguma coisa do Senhor” e “não fica desanimado, nem desiludido”, frisou.

Considerando que os “jovens não se conquistam com doutrinas ou preceitos enormes” e que “há muitos que ouvem mas fazem que não é com eles” e “passam a «bola» para o lado”, o sacerdote desafiou os presentes a dizerem a cada um “Deus ama-te muito!”, uma certeza que levará cada jovem a descobrir “um amor, uma alegria e uma felicidade tão grande que aquilo que fazia antes já não lhe diz nada”.

Lembrando que “do coração de poucos, frágeis e débeis, o Senhor pode fazer grandes maravilhas”, o padre Flávio Martins exortou os presentes a apresentar a Deus as “necessidades” da Igreja e da diocese algarvia, tendo presente “não só apenas as vocações sacerdotais, mas também as religiosas, as conhecidas freiras, e também as de vida consagrada e os matrimónios”. “Nesta noite somos chamados a rezar e a ter presente a certeza de que o Senhor continua a chamar. Lembremos o que nos diz o Papa na sua mensagem: «Só numa comunidade cristã que vive verdadeiramente a fé e o amor poderão nascer as vocações»”, frisou, exortando a “esperar pelo Senhor” sem se deixar “dormitar pelos queixumes do quotidiano”.

A partir de hoje decorre a Semana Nacional de Orações pelas Vocações que se prolonga até 21 de abril, o quarto Domingo da Páscoa, em que a Igreja Católica assinala o 50.º Dia Mundial de Orações pelas Vocações, este ano sob o tema da mensagem do Papa emérito Bento XVI: “As vocações sinal da esperança fundada na fé”.

No próximo sábado, 20 de abril, o Secretariado da Pastoral Vocacional da Diocese do Algarve volta a promover, pelas 21h no Seminário de Faro, outra vigília de oração pelas vocações.

Samuel Mendonça

Pub