Pub

“O In Cela é um trabalho de dança teatro e que é o resultado da minha residência de seis semanas no Laboratório de Actividades Criativas (LAC)”, explicou à Lusa a jovem brasileira Thiane Lavrador, 21 anos, que vai apresentar esta noite três coreografias de 15 a 20 minutos cada espetáculo.

O “In Cela” decorre na cela número 5 com a artista empoleirada nas grades de uma pequena janela da antiga prisão de Lagos onde agora, ironicamente, os artistas expressam a sua liberdade criativa.

A pesquisa para o “In Cela” partiu da ideia de como o “marketing é incisivo” e de como as pessoas hoje em dia podem comprar tudo, seja corpo de silicone, carros, maridos, maquilhagem, roupas, explicou Thiane Lavrador que estudou comunicação das artes do corpo em São Paulo, Brasil.

Com base no marketing, revistas cor-de-rosa, marcas glamorosas ou fórmulas de felicidade e padronizadas, a artista fez uma pesquisa de movimentos dentro do espaço reduzido da cela e construiu uma coreografia que revela a questão da subjetividade no mundo padronizado da cultura de massas.

Também no LAC, hoje à noite, mas numa outra cela da antiga prisão de Lagos, Andrea Inocêncio, 33 anos, e Ana Maria, 50 anos, vão revelar “Globalfornication”, uma performance com várias instalações de vídeo onde as duas artistas portuguesas revelam o resultado de um mês de residência artística na cidade de Lagos.

Andrea Inocêncio, toda vestida de negro com rendas sumptuosas pregadas à cabeça num chapéu e sapatos altíssimos, e Ana Maria, a trajar de branco imaculado empunhando um regador verde alface a servir de “pochette”, despertaram as mais variadas curiosidades por onde desenvolveram o seu projeto artístico.

“As ruas e os espaço de Lagos foram o nosso palco”, explicou o duo artístico, que representou nas praias de Lagos, mas também no mercado municipal, nas mercearias e nas esplanadas da cidade algarvia.

“Quebrar estereótipos sociais e culturais” é o principal objetivo do “Globalfornication”, explicou à Lusa Andrea Inocêncio, recordando que algum do público que tiveram pensava que o casal de mulheres se tinha acabado de casar, por recentemente o casamento entre pessoas do mesmo sexo ter sido legalizado em Portugal.

O duo da “Globalfornication” comunica através da roupa e, portanto, as pessoas que viram a performance na rua, puderam interpretar e refletir individualmente sobre o que significaria aquele acontecimento na cidade de Lagos, explicou, por seu turno, Ana Maria.

O LAC é uma associação cultural sem fins lucrativos formada em 1995 e com sede no edifício da antiga cadeia de Lagos e que definiu para 2010 desenvolver Programas de Residências Artísticas.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Lusa
Pub