Pub

Segundo anunciou, na passada terça-feira, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera a interdição deve-se “à acumulação de toxinas do tipo DSP produzidas por microalgas” em elevadas quantidades nas águas costeiras e estuarinas.
 
Redação com Lusa

Pub