Pub

AgriculturaA apresentação no Algarve da “bolsa de terras” vai arrancar no dia 06 de março e prolonga-se até ao final desse mês, com encontros em várias localidades da região, informou a associação In Loco.

A In Loco, com sede em São Brás de Alportel, anuncia, na sua página da Internet, que os encontros vão decorrer entre 06 e 28 de março “nas freguesias interiores dos concelhos de Silves, Albufeira, Loulé, S. Brás de Alportel, Faro e Tavira, com o objetivo de explicar o que é [a bolsa de terras] e como lhe aceder”.

A associação considera que a criação da “bolsa de terras” é uma forma de facilitar o acesso à terra, designadamente quando a mesma não seja utilizada, e que vai ajudar a combater os incêndios e dinamizar o setor agrícola na região do Algarve.

Os responsáveis da associação In Loco admitem que a bolsa pode levar a uma maior ocupação dos solos, reforçando, ordenando e mantendo as terras, mesmo contra os incêndios, explicou à Lusa Nelson Dias.

Os encontros dirigem-se a proprietários que queiram ceder os seus terrenos, assim como para quem não tem terra e pretende aceder-lhe para cultivo ou para outros fins produtivos, explica a In Loco.

As localidades onde vão ser realizados os esclarecimentos são São Marcos da Serra, Messines, Paderne, Alte, Benafim, Salir, Ameixial, Querença, Tôr, Boliqueime, Loulé – São Sebastião, São Brás de Alportel, Santa Bárbara de Nexe, Estoi, Santa Catarina da Fonte do Bispo e Cachopo.

O arranque dos encontros é em Loulé, no dia 06 de março, às 11:00, na Junta de Freguesia do Ameixial.

Criada em 26 de agosto de 1988, e com intervenção no interior do Algarve central, a In Loco é uma das 225 entidades que o Ministério da Agricultura e do Mar autorizou, a nível nacional, a constituir uma rede que divulgue e dinamize a bolsa de terras junto de proprietários e outros interessados.

Pub