Inicio | Cultura | Arquivo histórico da paróquia de Sta. Bárbara de Nexe foi recuperado e apresentado

Arquivo histórico da paróquia de Sta. Bárbara de Nexe foi recuperado e apresentado

Da Esqª para a dirª: Tiago Barão, Teresa Correia, Sandra Martins, João Sabóia e padre Miguel Neto © Samuel Mendonça
Da Esqª para a dirª: Tiago Barão, Teresa Correia, Sandra Martins, João Sabóia e padre Miguel Neto © Samuel Mendonça

A apresentação do inventário do arquivo histórico da paróquia de Santa Bárbara de Nexe foi feita na passada quarta-feira, 4 de março, na Biblioteca Municipal de Faro, depois de um trabalho de recuperação e restauro da documentação.

A salvaguarda, organização e inventariação do fundo arquivístico daquela paróquia resultou de um protocolo de colaboração estabelecido com a Câmara de Faro em setembro de 2013.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Segundo o padre Miguel Neto, pároco de Santa Bárbara de Nexe, a ideia surgiu de um grupo de quatro paroquianas. “Esta edição é a demonstração de que para se fazer alguma coisa importante não tem de ser necessariamente por iniciativa do pároco”, afirmou, explicando que a iniciativa não foi sua.

Recuperacao_arquivos_paroquiais (1)Após o acordo com a autarquia seguiu-se então o trabalho da equipa do Arquivo do Município de Faro, composta pelos arquivistas João Sabóia e Tiago Barão, com a colaboração de António Madeira da Cruz.

Recuperacao_arquivos_paroquiaisTiago Barão explicou que, através de muitos trabalhos sobre as visitações da Ordem de Santiago à igreja de Santa Bárbara de Nexe “percebe-se que se trata de uma igreja com mais de cinco séculos de existência e que, supostamente, deveria ter uma documentação compatível com essa história, o que não acontece na realidade”. Os historiadores acrescentaram que o arquivo paroquial não possui documentos anteriores ao século XX e que isso se deve a diversos acontecimentos que, ao longo do tempo, terão levado à destruição de muito do património documental da paróquia, tal como o terramoto de 1755, que danificou seriamente a igreja, assim como, no século XIX, a guerra civil entre liberalistas e absolutistas, em que a casa paroquial foi assaltada, e a própria implantação da República. Os arquivistas destacaram ainda que o mau estado de conservação da documentação não ajudou a que ela se conseguisse manter até aos dias de hoje.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

No entanto, João Sabóia frisou que “os documentos encontrados são importantes pelo valor probatório e como conhecimento e memória do papel da Igreja na comunidade onde se integra” como é disso exemplo os autos de entrega da igreja e das suas dependências (1933 e 1945) que estavam desaparecidos, sendo necessários para efeitos de regularização no Registo Predial.

Tiago Barão referiu que, para além da paróquia, as entidades identificadas como produtoras de documentação paroquial foram o Apostolado da Oração, a Associação do Canto das Almas, a Associação Rosário Perpétuo, a Caritas Paroquial de Santa Bárbara de Nexe, a Confraria de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, a Confraria do Santíssimo Sacramento, a Irmandade do Sagrado Coração de Jesus, a Juventude Agrária Católica Feminina, a Liga Agrária Católica Feminina, a Obra de São Francisco de Sales e a Pia União dos Cruzados de Fátima.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Os arquivistas destacaram a elaboração do inventário, que agora ficou disponível em formato digital para consulta no sítio do Município de Faro, como um “trabalho importante para investigadores não apenas da área religiosa” e sublinharam o facto de ter sido a primeira vez que a entidade municipal realizou este trabalho ao nível paroquial. “O trabalho agora apresentado poderá representar um projeto consistente e continuado de organização e publicação do arquivo das paróquias sedeadas no concelho de Faro sob a orientação técnica do arquivista”, desejou João Sabóia, sublinhando a importância da salvaguarda do património arquivístico paroquial e adiantando que a equipa do Arquivo Municipal “já está a pensar continuar com este tipo de colaborações”.

O padre Miguel Neto manifestou o seu regozijo por Santa Bárbara de Nexe ter sido a primeira paróquia do concelho de Faro a tomar a iniciativa. “Tomei como exemplo a paróquia de Silves”, confessou o pároco, considerando que o trabalho agora finalizado “é um início de uma forte ligação entre as paróquias de Santa Bárbara e Estoi, o Arquivo Distrital e o Museu Municipal” que deverá avançar agora com a recuperação do arquivo paroquial de Estoi.

Na sessão de apresentação, participada também pela diretora da Biblioteca Municipal de Faro, Sandra Martins, a vereadora Teresa Correia destacou a importância dos arquivos para a formação da identidade e congratulou-se com a disponibilização dos arquivos à consulta pública. “Este tipo de trabalho resulta de uma disponibilidade sã da parte da Igreja. Gostava que este trabalho fosse um exemplo a continuar”, afirmou.

De acordo com a organização arquivística, no âmbito da Igreja do Algarve encontram-se já publicados os inventários relativos às paróquias de São Clemente (1993) e São Sebastião (1994) de Loulé, Salir (1996), Querença (2004), São Pedro de Faro (1929), Silves (2011) e São Bartolomeu de Messines (2014). Igualmente publicados estão também os inventários dos arquivos Diocesano, do Cabido Catedralício da Sé de Faro e da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo (1994). A nível nacional, foi também realizado o inventário do património cultural móvel onde se incluem as Misericórdias (1997).

com Sandra Moreira

Verifique também

Livro de Patrícia Palma revela rede de bibliotecas religiosas que contribuiu para cultura escrita no século XVIII

A nova publicação da investigadora algarvia Patrícia de Jesus Palma vem desconstruir “a ideia feita …

Folha do Domingo

GRÁTIS
BAIXAR