Pub

Em comunicado, aquele organismo adiantou que as operações de derrocada controlada e perfilamento de arribas vão decorrer nas praias do Camilo, em Lagos, Santa Eulália e Maria Luísa, em Albufeira, tendo sido nesta última que no verão de 2009 a queda de uma arriba causou a morte a cinco pessoas.

As intervenções devem-se ao agravamento da instabilidade daquelas arribas, provocado pelas intempéries de inverno, que causaram 12 desmoronamentos no barlavento (oeste), explicou a Administração Regional Hidrográfica (ARH) do Algarve, que vai realizar as operações.

"Desta geodinâmica natural das arribas resultou o agravamento da instabilidade em três locais que requerem intervenção urgente, antes do início da época balnear, no sentido da mitigação do risco para os utentes da praia", lê-se no comunicado.

As operações de saneamento das arribas nas praias Maria Luísa e Camilo decorrerão durante a próxima semana, entre segunda e sexta-feira, sendo as arribas da praia de Santa Eulália alvo de intervenção a partir de domingo e durante um mês.

Segundo a ARH/Algarve, que integra a Agência Portuguesa do Ambiente, nesta última praia a instabilidade da arriba agravou-se muito, colocando em risco a integridade de um sítio arqueológico do período romano identificado no topo da arriba.

O agravamento do risco levou a Câmara de Albufeira e a Direção Regional de Cultura do Algarve a coordenarem uma intervenção urgente de levantamento arqueológico, ainda em curso.

A ARH/Algarve explica que a partir de domingo e durante um mês será executada "uma intervenção de defesa da base (enrocamento de pedra) da arriba e subsequente saneamento e reperfilamento da vertente".

Em paralelo aos trabalhos na base da arriba, poderão continuar a decorrer as escavações arqueológicas, esclarece a ARH.

Segundo aquele organismo, o desaparecimento de estruturas arqueológicas nas zonas de evolução natural do litoral é processo comum na franja costeira.

No Algarve, existem vestígios de ocupação romana a cerca de 600 metros da costa, hoje a oito metros de profundidade, sublinha.

Perante um cenário de erosão irreversível, tornou-se necessária uma intervenção arqueológica urgente para salvaguardar a informação, registá-la e divulgá-la, conclui a ARH.

Lusa

Pub