Breves
Inicio | Sociedade | ARS Algarve diz que Ministério da Saúde “melhorou” cuidados na região

ARS Algarve diz que Ministério da Saúde “melhorou” cuidados na região

O ministro Paulo Macedo (D) ladeado pelo diretor do Centro Hospitalar do Algarve, Pedro Nunes (E)  © Filipe Farinha/Lusa
O ministro Paulo Macedo (D) ladeado pelo diretor do Centro Hospitalar do Algarve, Pedro Nunes (E)
© Filipe Farinha/Lusa

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve esclareceu no domingo que o Ministério da Saúde deu, nos últimos três anos, “especial” atenção à região do Algarve para reforçar e melhorar a capacidade de resposta dos cuidados de saúde.

O Movimento de Cidadãos pela Defesa dos Serviços Públicos de Saúde do Algarve organizou no passado fim de semana dois cordões humanos, junto aos hospitais de Portimão e Faro, em defesa dos hospitais públicos da região e pedindo a demissão do administrador do Centro Hospitalar do Algarve (CHA), Pedro Nunes, ex-bastonário da Ordem dos Médicos.

Face à contestação sobre a “alegada degradação e desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) na região do Algarve”, o Conselho Diretivo da ARS Algarve esclareceu, numa nota de imprensa, que o “Ministério da Saúde, ao longo dos últimos três anos, tem vindo a dar especial atenção à Região do Algarve, para reforçar e melhorar a capacidade de resposta dos cuidados de saúde na Região”.

Na nota de imprensa, a ARS Algarve referiu que, com a criação do CHA, em maio de 2013, se reforçou a articulação da atividade assistencial destes hospitais (Faro, Portimão e Lagos), “pretendendo promover-se a complementaridade entre eles, melhorando a eficiência e a eficácia dos recursos humanos disponíveis na região, sem prejuízo do acesso dos utentes a cuidados de saúde de qualidade”.

“O aumento da capacidade de resposta dos cuidados de saúde primários e a implementação do alargamento da rede de cuidados continuados integrados na região do Algarve, apesar do atual contexto que o país atravessa, têm permitido aos cuidados hospitalares reforçar as condições de prestação de cuidados de saúde com melhor qualidade e de forma sustentável a toda a população”, diz a ARS do Algarve.

A ARS acrescentou ainda que, assim que tomou conhecimento do abaixo-assinado por “um grupo de médicos assistentes hospitalares do CHA (…), realizou, no âmbito das suas competências, todas as diligências, enquanto mediador, com vista a promover o diálogo entre ambas as partes”.

Há algumas semanas surgiu um abaixo-assinado subscrito por 182 médicos a denunciar a alegada existência de adiamentos de cirurgias programadas no CHA, por falta de material, e falta de medicamentos.

Verifique também

Câmara de Faro atribuiu nome do padre João Sustelo a praceta da cidade

A Câmara de Faro atribuiu no Dia do Município, 7 de setembro, o nome do …