Inicio | Economia | Autarcas alentejanos esperam retirada de freguesias da IGP Medronho Algarve

Autarcas alentejanos esperam retirada de freguesias da IGP Medronho Algarve

© Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

As Câmaras de Odemira, Almodôvar e Ourique congratularam-se na quarta-feira com a retirada de freguesias desses concelhos da área de Indicação Geográfica Protegida (IGP) do Medronho do Algarve, mas os responsáveis pela candidatura não confirmaram essa retirada.

Os autarcas destes concelhos tinham criticado a Associação de Produtores de Aguardente de Medronho do Barlavento Algarvio (APAGARBE) por ter apresentado a candidatura à IGP Medronho do Algarve à sua revelia e incluído oito freguesias desses concelhos alentejanos, num processo que contou com o apoio da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAPALG).

Agora, os três municípios emitiram um comunicado conjunto a dar conta de que o presidente da APAGARBE, José Paulo Nunes, teria admitido publicamente que iria fazer uma proposta para retirada dessas freguesias da IGP Medronho do Algarve, mas confrontados pela Lusa nem o dirigente associativo nem a DRAPALG confirmaram esta informação.

Num comunicado com o título “presidentes das Câmaras Municipais de Almodôvar, Odemira e Ourique congratulam decisão da APAGARBE”, os autarcas alentejanos recordaram que o pedido de IGP Medronho do Algarve foi apresentado à Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) e que os municípios apresentaram a contestação à pretensão de incluir as freguesias alentejanas nessa área na fase de consulta pública.

“A proposta de registo de IGP “Algarve” para o Medronho, inclui parte do Algarve e uma vasta área do Alentejo, designadamente, toda a área de oito freguesias dos concelhos de Almodôvar, Odemira e Ourique (tendo passado a nove freguesias em sede de audiência prévia por sugestão, proposta e decisão da DGADR)”, referiram ainda os autarcas do Alentejo.

Os presidentes das três câmaras alentejanas frisaram que, depois de “um processo com diversos desencontros, com deficiente diálogo e com equívocos técnicos e administrativos”, a APAGARVE “veio a público, através do seu presidente José Paulo Nunes, assumir que seria “feito um pedido formal ‘para a retirada destas freguesias da IGP’”.

“Esta é uma atitude que felicitamos, uma atitude de bom senso e seriedade dos promotores deste processo, que estamos certos cumprirão a palavra agora assumida, esperando que esta seja respeitada por todas as entidades públicas regionais e nacionais implicadas”, acrescentaram os autarcas de Odemira, Almodôvar e Ourique.

Mas questionado pela Lusa, o presidente da APAGARBE, José Paulo Nunes, não confirmou a informação de que essas freguesias iriam ser retiradas da área da IGP, dizendo apenas que a associação só se iria pronunciar quando considerasse oportuno e “não pretendia entrar em mais polémicas” sobre o assunto.

A Lusa também questionou a DRAPALG sobre a possível retirada das freguesias alentejanas da IGP Medronho do Algarve, mas o diretor regional, Fernando Severino, disse que o organismo que dirige “não se pode pronunciar” sobre o assunto “enquanto não houver uma deliberação por parte da DGADR.

Verifique também

Presidente da AMAL aplaude transportes mais baratos, mas diz ser preciso tempo para ajuste

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) aplaudiu ontem a implementação do Programa de …