Pub

Em dezembro de 2009, a Lusa informou que a cadeia sueca IKEA pretendia abrir uma loja e um centro comercial Inter IKEA em Loulé, Algarve, e cujo investimento era superior a 200 milhões de euros, permitindo criar três mil postos de trabalho direto.

“A Câmara de Loulé deliberou determinar a elaboração de um Plano de Urbanização, numa área de 355 hectares, entre as localidades de Caliços-Esteval, tendo publicado um aviso em Diário da República de 01 de setembro. Nesse aviso é ainda determinado a elaboração da Avaliação Estratégica Ambiental (…), e aprovada a minuta de contrato a celebrar com o grupo IKEA”, lê-se na nota de imprensa.

No entanto, o Bloco de Esquerda classifica de “extemporânea” a elaboração de um Plano de Urbanização e refere que os argumentos aduzidos pela Câmara Municipal são “muito frágeis, apesar de se esconderem por detrás de propostas de planeamento integrado”.

Para o BE, o que se esconde por detrás da deliberação de execução do Plano de Urbanização é uma tentativa de “disponibilizar terrenos urbanizáveis, numa área que integra os interesses do grupo sueco IKEA, o qual já tinha adquirido cerca de 40 hectares com vista a instalar um empreendimento comercial, com loja, centro comercial e retail park.

“Este plano é a prova da submissão do poder político ao poder económico, a demonstração da total ausência de soberania e de autonomia política do poder local, na garantia de estratégias de desenvolvimento sustentável para o concelho, do ponto de vista ecológico, social ou económico”, acrescenta o BE.

Em declarações à Agência Lusa, o presidente da Câmara de Loulé, Seruca Emídio, disse, em janeiro deste ano, que existiam duas intenções para a localização de dois grandes centros comerciais no concelho, sendo a do IKEA no eixo Loulé/Faro e a do grupo Auchan (Jumbo) no eixo Loulé/Quarteira.

O projecto da Auchan, denominado "Alegro Algarve" e com arquitectura contemporânea, terá uma área total de 40 hectares, um parque temático, zona de lazer, sendo 20 por cento do espaço dedicado ao chamado "comércio genuíno", onde os artesãos locais têm a garantia do escoamento dos produtos no próprio centro comercial.

Segundo Seruca Emídio, o IKEA está previsto localizar-se na zona de Alfarrobeira, no eixo Loulé/Faro, perto do Parque das Cidades, enquanto que o grupo Auchan pretende localizar-se no eixo Loulé/Quarteira, perto da Zona Industrial e serviços de Loulé e da antiga fábrica da cerveja Unicer.

Ambos os projectos comerciais – Auchan (proprietária dos supermercados Jumbo) e IKEA – implicam uma "alteração do uso do solo", ou seja uma alteração do Plano Director Municipal.

Lusa

Pub