Breves
Inicio | Sociedade | Banco Alimentar do Algarve satisfeito com horta social que inclui reclusos

Banco Alimentar do Algarve satisfeito com horta social que inclui reclusos

O presidente do Banco Alimentar do Algarve fez na sexta-feira um balanço “muito positivo” da horta social criada com os serviços prisionais e que gerou oito toneladas de hortícolas cultivados por reclusos, pessoas com deficiência ou a recuperar de dependências.

Nuno Alves preside ao Banco Alimentar contra a Fome do Algarve e participou num seminário sobre Agricultura Social promovido pela Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, para dar conta da experiência iniciada em 2015 e que permitiu, logo no primeiro ano, produzir as oito toneladas de “alimentos saudáveis” para a população carenciada algarvia.

“Este projeto nasce de uma parceria entre a Direção Regional dos Serviços Prisionais e de Reinserção Social e a Federação Portuguesa de Bancos Alimentares. A vertente diferente que o projeto tem no Algarve é que não se passa dentro de uma cadeia, passa-se fora e, neste caso concreto, dentro da direção regional de Agricultura, onde cerca de um hectare está alocado ao projeto que o banco alimentar coordena em parceria com a direção regional”, afirmou Nuno Alves em declarações à agência Lusa.

A mesma fonte frisou que o projeto já “evoluiu de tal forma” no Algarve que “são várias as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do distrito, nomeadamente dos concelhos de Loulé, Faro e Olhão”, que todas as semanas colocam a trabalhar no projeto “utentes/beneficiários sinalizadas no âmbito da deficiência ou da incapacidade ou que estão em recuperação de dependências” de álcool e drogas.

“O importante do projeto é a produção hortícola que dali resulta, porque no primeiro ano foram oito toneladas de hortícolas diversos que foram produzidas e distribuídas pelo Banco Alimentar pela população carenciada do distrito, mas também é importante podermos receber pessoas que estão em instituições e que, neste caso, vêm passar um dia diferente, todas as semanas, contribuindo de forma ativa para o projeto e sobretudo para a sua inclusão social”, enalteceu.

A mesma fonte disse que o projeto conta com reclusos dos Estabelecimentos Prisionais de Olhão e de Faro e sublinhou que, “todos os que atingiram a liberdade condicional, arranjaram trabalho”.

“A questão de poderem estar integrados na sociedade, de poderem interagir com outras pessoas e não serem descriminados também permite que vão ganhando confiança e vão ganhando competências para, quando chegarem ao dia da liberdade condicional, poderem ser integrados. E isso está a acontecer, o que é muito positivo”, congratulou-se.

Questionado sobre o número de pessoas que o projeto já conseguiu apoiar, Nuno Alves respondeu que, no que respeita à população prisional, deslocam-se ao terreno equipas por quatro reclusos e um guarda e, “ao longo de todo o projeto, já passaram por lá uma dúzia de pessoas”.

A mesma fonte referiu ainda que há duas IPSS ligadas à recuperação da dependência de drogas e álcool que, “por semana, levam oito utentes”, e outras três relacionadas com o apoio a pessoas portadoras de deficiência ou incapacidade, que disponibilizam seis pessoas por semana.

Há também, acrescentou, uma associação que promove cursos de jardinagem e agricultura e já colocou oito estudantes a fazer estágio na horta solidária.

Verifique também

Menos de um ano depois do início da operação já não há trotinetes no Algarve

Dez meses depois de terem sido anunciadas como uma mais valia para a promoção da …