Pub

“é muito fácil deixarmo-nos escravizar pelos bens e pelo dinheiro. Ou porque o tenho ou porque não o tenho, pois quem não o tem pode viver, constantemente, a desejar tê-lo.”, acautelou D. Manuel Quintas na missa de encerramento da Assembleia Diocesana, em Quarteira, com base no evangelho da eucaristia deste fim de semana.

Ontem, na eucaristia de tomada de posse do padre Joel Teixeira, em Paderne, lembrou que “os bens são importantes, são bons, foram criados por Deus”, mas as pessoas são “mais importantes porque esses bens estão ao serviço da pessoa humana”. “Jesus adverte-nos para o perigo de ficarmos escravos desses bens e de os transformarmos em algo mais importante do que nós e do que os outros”, sustentou, lamentando os “atropelos á dignidade” e “situações de não haver hesitação em eliminar outros por causa dos bens e do dinheiro”

O prelado, lembrou que Cristo é a “grande riqueza” e o “maior bem”, destacou haver “exemplos de pessoas que, diante dos bens, conseguem uma integridade e uma hierarquia de valores que revela verdadeiramente a sua capacidade de discernir, de ajuizar e de se situar face aos bens e ao dinheiro”

D. Manuel Quintas referiu-se ao caso de um sem-abrigo de Boston, nos EUA, que encontrou uma mochila com cerca de 46 mil dólares á saída de um centro comercial. Glen James entregou este valor á polícia para que fosse devolvido ao respetivo dono e afirmou que “mesmo que eu estivesse desesperado por dinheiro não teria guardado nem um cêntimo da quantia que encontrei”. “Sou muito religioso e Deus sempre tratou muito bem de mim”, justificou

A polícia surpreendida com a ação resolveu fazer-lhe uma homenagem, que chamou a atenção de um habitante da Virgínia, de 27 anos. Entusiasmado com a honestidade do sem-abrigo, Ethan Whittington lançou uma campanha de angariação de fundos na Internet, que conta já com mais de 80 mil dólares

Samuel Mendonça

Pub