Pub

O bispo do Algarve desafiou hoje os cristãos a acolherem “em tempo de pandemia” o mesmo apelo feito por Jesus aos apóstolos.

“«Não se perturbe o vosso coração». Repete-nos hoje e sempre Jesus quando vacilamos na fé. Este convite escutado em tempo de pandemia, tempo gerador de sentimentos de algum desconforto e insegurança, acolhido à luz da fé, desperta-nos para reconhecer e testemunhar a presença de Cristo em nós e na Igreja, tal como o grupo dos apóstolos”, afirmou D. Manuel Quintas na celebração da eucaristia transmitida em direto na internet a partir do oratório do Paço Episcopal de Faro.

O bispo diocesano lembrou que “as incertezas do presente lançam inquietação e medo em relação ao futuro”. “Foi assim com os discípulos, o mesmo pode acontecer-nos também a nós nos momentos mais conturbados, como este que vivemos. A inquietação pode abalar a nossa fé e levar-nos a deixar que o medo paralise a nossa relação com Deus e abale a confiança que depositamos em nós mesmos, na nossa vida familiar, social, profissional e até nas instituições que regulam e inspiram a vida em sociedade: a política, a justiça, a economia, a ciência, a própria religião”, admitiu, apelando aos cristãos que peçam a Deus “a firmeza e a serenidade da fé” e prossigam “como recomendava Paulo”: “firmes na fé, alicerçados em Cristo, alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Neste que foi já o nono domingo sem a possibilidade da celebração comunitária presencial da eucaristia, o bispo do Algarve destacou o momento difícil na vida eclesial. “É uma situação que, certamente, nos custa a todos, que compreendemos e entendemos também e, de certa maneira, ansiamos já que chegue o fim deste mês de maio, precisamente o dia 30 e 31, para poder-nos encontrar-nos novamente nas nossas igrejas paroquiais, nos nossos espaços habituais de celebração e de participação na eucaristia. Entretanto, vamos pedir ao Senhor que nos fortaleça na fé e na comunhão à luz da palavra escutada e da eucaristia, para que o Senhor continue a unir-nos nesta luta, que é de todos, para evitar a propagação desta pandemia”, declarou.

Nesse sentido, a celebração contou com a “oração por todos aqueles que continuam internados em cuidados intensivos” e outros hospitalizados ou “nas suas famílias a lutar contra este vírus, sem esquecer todos os profissionais de saúde e todos aqueles que se encontram na linha da frente” do combate à Covid-19. “E alargamos esta intenção, não apenas à região do Algarve, ao nosso país, mas a todo o mundo. Diariamente assistimos ao sofrimento que este vírus está a causar de uma maneira tão mortífera em tantos países do mundo”, acrescentou D. Manuel Quintas.

Pub