Pub

D. Manuel Quintas sublinha, na sua mensagem para a Quaresma, a “frontalidade” de Bento XVI “em assumir e enfrentar as «chagas» que fragilizam a Igreja, causa principal do seu sofrimento, mais do que ataques exteriores”. O prelado aponta igualmente “a sua coragem em promover o diálogo com todos: conciliador com as fações dentro da Igreja, ecuménico e envolvente com as Igrejas cristãs, inter-religioso e aberto com o islamismo e o judaísmo”.

O bispo do Algarve considera mesmo que “Bento XVI foi gradualmente surpreendendo e cativando, mesmo os mais “céticos” a seu respeito, dentro e fora das fronteiras da Igreja”. “O seu amor à verdade aproximou-o de quantos, provenientes de diferentes saberes e culturas, a procuram de modo existencialmente honesto. Fez depender da verdade, apoiada no amor, o desenvolvimento humano integral: um grande desafio para a Igreja num mundo em crescente e incisiva globalização”, escreve D. Manuel Quintas.

O bispo do Algarve, que já considerara a renúncia do Papa alemão uma “lição eloquente” para toda a Igreja, complementa agora que essa decisão “contém uma mensagem que, pela sua coragem e as motivações pessoais que a sustentam, ultrapassa os limites geográficos e humanos da Igreja Católica”.

O prelado salienta que, não obstante a “fragilidade física” que se acentuava, “de modo natural e irreversível”, o Papa continuava a cativar pela sua “profundidade espiritual e pela lucidez e clarividência do seu pensamento”. “Muito nos «ensinou», Bento XVI, nestes poucos anos do seu ministério petrino. Mais nos diz agora com esta sua decisão corajosa, desprendida, reveladora da procura do «melhor» no serviço a Cristo, à Igreja e ao mundo”, acrescenta.

No documento quaresmal, o bispo do Algarve convida ainda a Igreja diocesana do Algarve a “intensificar” a sua comunhão na resposta ao pedido que Bento XVI de rezar por ele, pelo seu sucessor e pela Igreja, intenção que D. Manuel Quintas pede para “estar presente nas celebrações eucarísticas dominicais e, de modo particular, durante o próximo Conclave”.

Samuel Mendonça

Pub