Pub

O bispo do Algarve exortou a iniciar este novo ano com “uma esperança renovada”.

“Vamos iniciar este novo ano e esta eucaristia com uma esperança renovada, pedindo a proteção de Nossa Senhora da Piedade”, começou por referir D. Manuel Quintas no princípio da missa da solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, a que presidiu esta manhã na santuário da Mãe Soberana, em Loulé.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

No primeiro dia do ano, em que se assinala também o Dia Mundial da Paz, o bispo diocesano lembrou que 2020 “foi um ano difícil para todos”. “Sabemos as situações que vivemos, não apenas no Algarve, mas em todo o mundo ao longo do ano que terminou. Felizmente celebrámos o Natal já com as vacinas a serem administradas a tanta gente em sinal de esperança, também. Certamente é um estímulo também para a nossa oração de graças por todo o progresso que se fez no campo da investigação. Foi um ano que não foi fácil para ninguém. Por isso queremos ter presentes todos aqueles que sofreram as consequências desta pandemia”, disse.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

No primeiro dia do ano, o bispo do Algarve faz sempre questão de presidir à eucaristia naquele que é o santuário mariano algarvio de maior expressão, para pedir a proteção da Mãe Soberana ao longo do novo ano. A celebração costuma realizar-se pelas 15h, mas este ano, devido às limitações impostas por causa da pandemia de covid-19, decorreu às 11h.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Maria, que hoje celebramos como Mãe de Deus, foi escolhida por Deus para nos presentear Jesus. A liturgia deste dia apresenta-nos Maria como modelo de todo o crente, de todo o discípulo, de todo aquele que acolhe a bênção de Deus e colabora com Ele na realização deste projeto de amor que Jesus nos trouxe”, realçou.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Na primeira parte da sua homilia, o bispo do Algarve destacou a mensagem do Papa Francisco para o 54.º Dia Mundial da Paz que tem como título ‘A cultura do cuidado como percurso para a paz’. D. Manuel Quintas alertou para os “quatro cuidados como se fossem quatros pontos cardeais” que também servem de “indicação do caminho” que “deve levar a cultivar o cuidado para conseguir a paz”: o “cuidado com a promoção da dignidade e dos direitos da pessoa, o cuidado do bem comum, o cuidado através da solidariedade e o cuidado da salvaguarda da Criação”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Que o Deus da paz nos abençoe, venha em nossa ajuda e que Nossa Senhora da Piedade e Mãe Soberana que aqui invocamos e veneramos, nos ampare e ampare toda a nossa diocese e todo o mundo ao longo de cada um dos dias deste ano que estamos a iniciar”, concluiu.

O Dia Mundial da Paz foi instituído em 1968 pelo Papa Paulo VI (1897-1978) e é celebrado no primeiro dia do novo ano.

Pub