Pub

Desta vez, D. Manuel Quintas visita Santa Catarina da Fonte do Bispo, no concelho de Tavira, até ao próximo dia 27 deste mês.

Ontem, antes da Eucaristia de abertura, o prelado começou por agradecer o acolhimento em “ambiente familiar” e explicou que, o bispo “deve visitar as paróquias, não apenas no momento da administração do Crisma, mas com mais calma”. D. Manuel Quintas lembrou que “faz parte da missão do bispo visitar as comunidades cristãs”, porque “deve conhecer, tanto quanto possível, as pessoas”.

O bispo diocesano destacou na igreja matriz que as visitas pastorais servem para reforçar e despertar a “proximidade” e o “sentido de família”. “Fazemos parte da mesma família, da mesma Igreja, somos discípulos de Jesus e cristãos pelo Batismo, por isso é importante que nos aproximemos uns dos outros. Só conhecendo-nos melhor, crescemos mais no sentido familiar e sentimo-nos mais motivados a rezarmos uns pelos outros e uns com os outros. Gostaria que nesta semana nos sentíssemos mais próximos uns dos outros, na oração, no sentido de família, de proximidade e de fraternidade”, disse.

Por outro lado, D. Manuel Quintas, que elucidou também que o bispo é pastor, na medida em que “aponta para Jesus” que é “o Bom Pastor”, frisou que “a visita do bispo é sempre para reforçar e confirmar na fé, dar alento e coragem”, seja aos párocos, seja “àqueles que se disponibilizam a apoiar a vida da comunidade”. “Apoiar, reforçar, encorajar e estimular a vivência da fé” foram alguns dos objetivos enumerados pelo prelado que considerou a visita pastoral sempre como um “momento de graça, de dom e de presença de Deus” em cada um dos participantes.

O padre Afonso da Cunha Duarte, vigário paroquial de Santa Catarina da Fonte do Bispo, destacou a presença de D. Manuel Quintas em ocasiões anteriores para administrar o sacramento do Crisma, para salientar que a sua presença ganha esta semana um outro sentido. “Está presente no meio de nós para nos contagiar pela fé, para pregar a Palavra de Deus e para nos despertar para a fé, para que cada um de nós se aproxime mais de Deus e da sua Igreja. Veio conhecer as nossas alegrias, as nossas tristezas, as nossas necessidades, os nossos problemas e as nossas aspirações”, afirmou, lembrando que o bispo é o “dispensador de todos os mistérios de Deus que Cristo confiou à sua Igreja”.

O sacerdote, que destacou que a presença de culto cristão naquela localidade data de há 500 anos atrás, alertou para a desertificação da paróquia. “Esta paróquia, embora seja grande em extensão, em população está morrer”, disse o padre Afonso da Cunha, regozijando-se, no entanto, com o facto de haver este ano 61 crianças na catequese.

Para além da visita a instituições públicas, o bispo do Algarve visitará ainda o lar e o infantário, doentes e os grupos paroquiais. No domingo (dia 27) administrará o sacramento do Crisma a quatro jovens.

D. Manuel Quintas visitará ainda este ano as paróquias de Loulé (3 a 17 de abril).

Samuel Mendonça

Pub