Pub
© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Confrontada com o surgimento de novas realidades familiares, sejam famílias monoparentais, casais divorciados ou pessoas recasadas, a Igreja Católica tem procurado responder a estas diversas situações para que ninguém se sinta excluído da comunidade cristã.

Em entrevista ao Programa Ecclesia na Antena 1, no passado dia 23 deste mês, e em ano pastoral dedicado à Família, o bispo do Algarve disse esperar que, na diocese algarvia, “se crie um movimento que possa ser gerador deste acolhimento, desta integração e da valorização do contributo que estas famílias podem dar, seja à comunidade cristã, seja à comunidade local”.

“Esperamos que, nas paróquias, possam até surgir iniciativas, grupos constituídos por estas famílias, como já acontece noutras dioceses do país em que estas famílias são valorizadas na sua situação concreta, naquilo que diz respeito ao contributo na própria comunidade, participando, por exemplo, em ações do âmbito social, sóciocaritativo”, afirmou D. Manuel Quintas, acrescentando que “em tantas outras iniciativas podem igualmente contribuir para o crescimento das próprias comunidades cristãs e, sobretudo, para a resposta que as próprias comunidades cristãs devem dar às situações e no meio em que estão envolvidas”.

O prelado lembrou ainda que “o Algarve não está sozinho” na opção de valorizar a pastoral familiar. “Há [outras] dioceses que, neste ano, vão privilegiar a pastoral da família, outras já o fizeram e outras vão fazê-lo nos próximos anos”, sustentou.

Programa Ecclesia de 23 de outubro de 2013

Pub