Pub

D. Manuel Quintas, falando no passado sábado, dia 8 de Janeiro, nas Jornadas de Liturgia da diocese algarvia, em Ferragudo, lembrava a relação entre o crescimento cristão e o tempo e espaço dedicado à oração. “A comunidade paroquial é o local adequado para cada um crescer e participar na missão da Igreja, mas é importante que esse crescimento na comunhão não seja marcado pela fragilidade e por isso precisamos também de momentos de oração. Sermos melhores está também relacionado com o espaço e o tempo que dedicamos à oração”, lembrava o prelado, considerando ser importante que, na vida dos cristãos, não haja apenas o desejo de aprofundar a fé, mas aprofundar a fé “criando espaços para viver a fé através da oração”.

E “porque nem todas as paróquias podem responder a tudo, a Igreja diocesana também organiza esses espaços de oração que são os retiros quaresmais”, explicou o Bispo diocesano.

De seguida lembrou que na próxima Quaresma (que se inicia no dia 9 de Março) vão realizar-se três retiros promovidos pela Diocese do Algarve: um para catequistas, de 18 a 20 de Março, outro para jovens, de 25 a 27 do mesmo mês e outro para a agentes da Pastoral da Saúde, a 9 e 10 Abril.

Para os que não se enquadram em nenhum destes três sectores e gostariam de participar num retiro, D. Manuel Quintas incentivou a que apresentem essa disponibilidade junto dos respectivos párocos ou a que “peçam para se juntarem a paróquias vizinhas”.

Para além dos retiros, o Bispo do Algarve lembrou ainda a realização de outras iniciativas de formação e oração como o Curso de Cristandade para homens, de 10 a 13 de Março, e o Curso de Cristandade para senhoras, de 7 a 10 Abril (senhoras).

A propósito dos movimentos, o prelado considerou que “se o Espírito os faz os surgir é porque as paróquias não respondem a essa necessidade, imperiosa na Igreja, de revitalizarmos a fé”. “Esses diferentes carismas e diversos dons, através do Espírito, servem para colmatar lacunas na nossa vida pessoal e eclesial. Devemos estar a atentos a este discernimento e acolhermos estes dons”, acrescentou.

Samuel Mendonça

Pub