Pub

Visita_pastoral_silves (4)O bispo do Algarve terminou ontem a visita pastoral às paróquias de São Bartolomeu de Messines, São Marcos da Serra e Silves, entregues aos cuidados dos padres Carlos de Aquino e Vasco Figueirinha.

Visita_pastoral_silves (5)Iniciada no passado dia 1 deste mês, esta foi a quarta e última visita realizada por D. Manuel Quintas a nove paróquias algarvias neste ano pastoral de 2014/2015. Recorde-se que o prelado visitou de Algoz, Guia e Tunes de 12 a 19 de outubro, Alcantarilha e Pêra de 16 a 22 de novembro e Armação de Pêra e Porches de 31 de janeiro a 8 de fevereiro.

Visita_pastoral_silves (3)Na conclusão desta última visita pastoral, o bispo do Algarve desejou que a mesma fosse uma “lufada de ar fresco” para que aquelas paróquias possam continuar a crescer como comunidades fraternas e missionárias. D. Manuel Quintas aludiu a “uma Igreja peregrina na santidade” e “aberta ao anúncio e ao testemunho do evangelho”.

Visita_pastoral_silves (2)“Gostaria que esta visita fosse uma «lufada de ar fresco» como foi para mim. E este «ar fresco» é o Espírito Santo. É ele que nos renova, rejuvenesce e desinstala, não nos deixa acomodados, põe-nos em movimento. Movimentando-nos, «oxigenamo-nos» por dentro, perdemos o «bafio». E é assim que resulta uma comunidade viva, fraterna e missionária, que caminha para a santidade”, afirmou o prelado ontem na eucaristia de encerramento a que presidiu em São Bartolomeu de Messines.

Visita_pastoral_silvesHá uma semana, na catedral de Silves, durante a eucaristia de encerramento da visita àquela paróquia, já tinha deixado o mesmo apelo. “Gostaria de vos exortar a vos deixardes conduzir pelo Espírito. E, sobretudo, à luz do Espírito a crescerdes ainda mais na participação daquela que é vida da vossa comunidade”, afirmou no dia 7 deste mês, destacando a importância da colaboração nos três sectores da vida da Igreja: litúrgico, profético e sociocaritativo.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

A nível celebrativo (sector litúrgico), D. Manuel Quintas lembrou a necessidade de cantores, acólitos, leitores ou ministros extraordinários da comunhão. No que respeita à dimensão do anúncio da fé (sector profético) destacou a importância da catequese e no que se refere à dimensão sociocaritativa considerou que sem esta os cristãos estão “incompletos e inacabados”. “Na prática desta virtude é importante colaborar ativamente naquilo que está estruturado ao nível da própria paróquia”, afirmou, lembrando a existência do grupo da Sociedade de São Vicente de Paulo em Silves “que faz tanto bem, que ajuda tantas famílias e que precisa, necessariamente, de voluntários”.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

“Que bom que seria que aquilo que vivemos, partilhámos e celebrámos, ao longo da semana contribuísse para crescermos mais na fé, na esperança e no amor”, desejou ontem em Messines, lembrando que a diminuição de sacerdotes “tem de ser colmatada pelos leigos”. Segundo o bispo diocesano, “trata-se de fazer mesmo aquilo que compete aos leigos” e não de substituir o sacerdote naquilo que é específico do seu ministério.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Considerando que “foram 15 dias muito intensos mas muito felizes”, lembrou a anterior visita pastoral realizada àquela paróquia há 8 anos, ainda com o padre Augusto Brito, falecido no final de 2013. “Certamente que ele, no céu, continua a ser «pároco» de São Bartolomeu de Messines e de São Marcos da Serra. Podemos ter a certeza que ele continua a rezar por todos nós, por estas paróquias, por estas pessoas”, afirmou D. Manuel Quintas.

Antes já o padre Carlos de Aquino se tinha referido ao anterior prior.Sentimos, ainda que muito silenciosamente, uma presença entre nós. Quem verdadeiramente preparou esta comunidade e foi construtor desta comunidade foi o senhor padre Brito. Acreditamos muito que ele, no céu, nos fortalece, continua a olhar por nós e nos estimula a que cresçamos muito como comunidade fraterna que se coloca ao serviço uns dos outros e que, com muita alegria, é testemunha da boa notícia do evangelho”, afirmou.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

“Na conclusão desta semana sinto que estamos todos muito mais felizes. Esta semana foi muito fecunda para todos nós, para as várias instituições que o senhor bispo visitou e também para as comunidades que constituem esta paróquia”, complemento o sacerdote, acrescentando que a “presença”, a “palavra” e a “amizade” de D. Manuel Quintas “vai deixar saudades”. “Não estamos cansados. Penso que interpreto o coração deste povo que, também agradecido, louva o Senhor pelo dom que o senhor bispo é, certamente, para nós como pastor e pai na fé”, concluiu.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Na primeira semana, a visita à paróquia de Silves incluiu as comunidades do Enxerim, Poço Barreto, Capela dos Mártires, Estação, Falacho e Pedreira, a comunidade das irmãs do Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

D. Manuel Quintas visitou ainda a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia, o Centro de Proteção de Crianças e Jovens em risco, o posto da GNR, as escolas (EB1, EB2.3 e Secundária), a instituição “Amigo dos Pequeninos”, a ALICOOP – Centro de distribuição alimentar, a Quinta Pedagógica, o Centro de Saúde, os Cuidados Continuados, a Creche e o Lar da Santa Casa da Misericórdia, o estabelecimento prisional, os Bombeiros Voluntários e o agrupamento do Corpo Nacional de Escutas.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Na última semana, para além das paróquias de Messines e São Marcos da Serra, o bispo do Algarve visitou as comunidades da Azilheira, Messines de Baixo, Poço do Gueino, Perna Seca e Calvo. D. Manuel Quintas visitou ainda as Juntas de Freguesia, os bombeiros, o lar de idosos, o centro de dia, a Casa do Povo, a Casa Museu João de Deus, as escolas (EB1 e EB2.3).

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Nas três paróquias, D. Manuel Quintas visitou ainda os doentes e reuniu-se com os Conselhos Pastorais e Económicos, catequistas e restantes agentes (leitores, acólitos, ministros extraordinários da comunhão ou cantores), assim como com os destinatários da pastoral como os crismandos, as crianças da catequese, seus pais e restantes adultos.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

O bispo do Algarve encontrou-se ainda com a Cáritas Paroquial e movimentos eclesiais como os membros da Sociedade de São Vicente de Paulo, da LIAM – Liga Intensificadora da Ação Missionária, do Apostolado de Oração e do Rosário Perpétuo e presidiu à celebração da eucaristia no Santuário de Nossa Senhora da Saúde.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

O prelado administrou ainda, em Silves, o sacramento do Crisma a 18 crismados, quase todos adultos, e a cinco raparigas em Messines.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

O Código de Direito Canónico estabelece que os bispos têm a obrigação de visitar toda a diocese ao menos a cada cinco anos, podendo, em caso de necessidade, delegar essa tarefa no prelado coadjutor ou auxiliar, ou ainda num padre.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça
Pub