Pub

Abertura_lausperene_2015 (5)
Foto © Samuel Mendonça

O bispo do Algarve voltou no domingo, dia em que a Igreja católica assinalou a celebração de Todos os Santos, a destacar a vocação universal à santidade.

Lembrando que domingo era dia de louvor a Deus pelo “dom da santidade” que concedeu àqueles que já estão no céu, D. Manuel Quintas voltou a sublinhar que “a santidade é vocação de todos” e não “privilégio de alguns”, sendo, por isso, que todos os santos se celebram numa única solenidade. “Todos, sem exceção, sois chamados a ser santos, a partir do batismo”, frisou o prelado na homilia da missa de abertura do Lausperene diocesano, a que presidiu na igreja de Santa Maria de Tavira, evidenciando que a vocação à santidade advém daquele sacramento e não de qualquer outro como o da ordem.

Por outro lado, D. Manuel Quintas salientou que Deus “não regateia” a ninguém a santidade, mas “dá a cada um o que cada um precisa para ser santo”. “Deus dá-nos, naturalmente pela ação de Cristo, tudo o que precisamos para ser santos”, sustentou, advertindo que o protótipo para alcançar essa santidade “não é o paradigma do mundo”. “O modo como Jesus nos classifica a todos de felizes não é o caminho que nos apresenta o mundo, mas é desse modo que encontramos a verdadeira santidade”, alertou o bispo do Algarve, referindo-se às Bem-aventuranças.

Pub