Pub

A autarquia vai entregar em breve o plano de saneamento financeiro no valor de mais de 90 milhões de euros ao Tribunal de Contas para avaliação, documento que Manuel da Luz (PS) espera ver aprovado até ao final deste ano.

A redução de pessoal na autarquia já estava estipulada no plano – que previa que só podia ser contratado um novo funcionário quando saíssem dois -, mas a “troika” impôs entretanto que na Administração Pública tenham que sair cinco para entrar um.

Em declarações à Lusa, Manuel da Luz explica que no espaço de dois anos o pessoal da autarquia – cerca de 1.000 funcionários, contando com os que estão adstritos às escolas -, tenha que ser reduzido em cinco por cento.

O presidente da Câmara refere ainda as dificuldades no pagamento das dívidas aos fornecedores, sublinhando que ainda há faturas de 2009 por pagar, situação que deverá ser desbloqueada assim que o plano entre em vigor.

O investimento da autarquia irá também sofrer uma redução significativa, adianta o autarca, esclarecendo que quando o plano de saneamento for implementado a redução no investimento passa a ser "uma obrigação”.

Como tal, a autarquia vai reduzir este verão em 40 por cento o investimento em eventos para cerca de 1 milhão de euros, depois de já ter havido uma redução no ano passado na ordem dos 25 por cento.

Segundo Manuel da Luz, os “mega eventos” em Portimão vão ficar reservados "para a passagem de ano" e os eventos de verão vão resumir-se àqueles “com mais impacto no público e na economia local”.

Como exemplos aponta o Festival da Sardinha, as Marchas Populares, a Feira do Livro, a prova de vela Match Cup, a exposição World Press Photo, o Mundialito de Futebol de Praia e um Festival de Fado que se realiza pela primeira vez este ano.

O apoio anual ao Autódromo do Algarve, fixado em meio milhão de euros (200 mil em publicidade e o restante em apoio direto a duas provas de velocidade), também deverá cair em cerca de 40 por cento, acrescenta Manuel da Luz.

Quanto à anunciada instalação de uma “cidade do cinema” no complexo do autódromo, o autarca assume ter havido uma “desaceleração nas intenções de investimento” mas garante que o projeto não foi abandonado.

O plano de saneamento financeiro permitirá renegociar a dívida que a autarquia tem a curto prazo – na ordem dos 104 milhões de euros -, alargando-a para um prazo superior, neste caso a 12 anos.

Lusa
Pub