Pub

“A Câmara de Lagos vem, publicamente, manifestar as suas preocupações e repúdio pela situação em que se encontram as obras de requalificação da Escola Secundária Júlio Dantas, paradas há mais de um mês por falta de pagamentos ao empreiteiro pela Parque Escolar, E.P.”, afirma a autarquia em comunicado.

A câmara algarvia considerou que as obras de requalificação do estabelecimento de ensino são “irreversíveis” e acusou o atual Executivo governamental de estar a realizar uma “manobra para descredibilizar a política de investimento nas escolas iniciada no Governo anterior e justificar a anunciada dissolução da Parque Escolar, empresa responsável pelo desenvolvimento dos projetos” de renovação escolar”.

A renovação do parque escolar foi decida pelo anterior Executivo socialista, liderado por José Sócrates, e mereceu críticas do atual Governo de coligação PSD/CDS-PP, que decidiu reavaliar os projetos em curso tutelados pela empresa pública Parque Escolar.

A Câmara de Lagos apelou ao Governo para “que seja encontrada uma solução urgente para uma situação que ninguém pode, em rigor e honestidade, alegar que é inesperada ou desconhecida, pois as obras já estavam em curso aquando da elaboração do orçamento de estado” para 2011.

O executivo municipal do PS solidarizou-se ainda com a comunidade educativa da Escola Júlio Dantas pelas “dificuldades” e “carências” que as obras, com conclusão prevista para abril, têm provocado ao longo do ano letivo.

“Agora, com esta incompreensível suspensão dos trabalhos por faltas de pagamento, ameaçam prolongar-se muito para além do que estava previsto e seria desejável, condicionando e pondo em causa a qualidade do ensino e a desejada tranquilidade em mais um ano letivo”, acrescentou a autarquia num comunicado assinado pelo presidente, Júlio Barroso.

Lusa

Pub