Pub

Projeto_ponte_praia_faro1O concurso para a construção da nova ponte na Praia da Faro deverá ser lançado este ano e a obra adjudicada até 2015, estimou à agência Lusa o presidente da autarquia, sublinhando que a obra deverá durar dois anos.

“O que está previsto é lançar o concurso este ano e se esse concurso correr bem poderemos ter adjudicação da obra no final do ano e ela poderá iniciar-se ainda no final deste ano ou, na pior das hipóteses, no início do próximo ano”, explicou à Lusa Rogério Bacalhau (PSD/CDS-PP/PPM/MPT).

Projeto_ponte_praia_faro2A ponte, que substituirá a atual, de 1957, tem um ‘design’ futurista e apenas uma faixa para a circulação automóvel, pormenores do projeto apresentados publicamente pela Câmara de Faro há quase dois anos, quando a autarquia ainda era presidida por Macário Correia e se estimava que a obra pudesse avançar nesse ano.

O atual presidente da autarquia esclareceu que a ponte terá duas faixas, embora para o trânsito funcione apenas uma, sendo a outra destinada a casos de emergência e para bicicletas e peões, opção que tem merecido algumas críticas, que ficaram registadas durante a consulta pública ao projeto, no verão passado.

Projeto_ponte_praia_faro3A nova ponte, cuja construção vai ser encomendada pela Sociedade Polis Ria Formosa, corresponde a um investimento superior a dois milhões de euros, mas o valor total do projeto, que inclui a construção de um parque de estacionamento exterior com 900 lugares e de um passadiço de madeira de ligação à ponte, ultrapassa os três milhões de euros.

A maior fatia do investimento previsto será obtida através uma candidatura ao Plano Operacional de Valorização do Território, havendo ainda uma comparticipação da autarquia.

“A Câmara assumirá esse custo e a obra realizar-se-á de certeza absoluta. Não será por nosso impedimento que ela não se vai realizar”, assegurou Rogério Bacalhau.

Projeto_ponte_praia_faro4O vereador socialista da autarquia Paulo Neves, considerou, em declarações à Lusa, que a Câmara deve garantir o apoio do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) ainda este ano, sugerindo que faça “pressão junto do Governo” para que não haja mais atrasos.

Um dos objetivos da construção da nova ponte é restringir o acesso automóvel à Praia de Faro, onde os congestionamentos de tráfego são constantes, conforme descreve o Estudo de Impacte Ambiental do projeto.

“Ao nível dos acessos, a Praia de Faro é a única ilha barreira com acesso rodoviário direto. A pressão que decorre dessa situação acentua-se com o reduzido condicionamento a que é sujeito esse mesmo acesso”, lê-se no documento.

A Declaração de Impacte Ambiental (DIA) emitida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve em novembro do ano passado dá parecer positivo ao projeto da ponte, mas com algumas condicionantes.

Uma delas é a implementação de um plano de segurança que defina as medidas a tomar em caso de acidente, como a introdução de substâncias contaminantes nos solos.

A DIA recomenda ainda que, na fase de exploração, sejam impostas velocidades máximas de circulação e seja construída uma pista ciclável que ligará a cidade ao parque de estacionamento exterior.

A atual ponte, que será demolida após a construção da nova, tem quase 60 anos e foi alvo de obras de reabilitação na década de 1990, mas não foram efetuadas intervenções nos pilares e nas estacas.

A construção de uma nova ponte foi a solução considerada mais favorável, ao nível da segurança dos utentes, da segurança estrutural e do tempo de vida útil.

Pub