Pub

Esta quantia resultou da venda de velas e fotoforos (respectivamente no valor de 1 e 2,50 euros) feita nas paróquias do Algarve, uma acção de partilha generosa com os mais pobres e os excluídos da sociedade.

O presidente da Caritas Diocesana do Algarve, explicou à FOLHA DO DOMINGO que a verba angariada para o Algarve destina-se ao Fundo de Apoio da Caritas que é diferente do Fundo de Apoio da Diocese do Algarve criado com as renúncias quaresmais dos cristãos algarvios na última Quaresma de 2009.

Carlos Oliveira garantiu que o Fundo de Apoio da Diocese do Algarve “é muito rigoroso na análise das situações” e, por isso, apoia apenas os casos extremos de pobreza provocados pela crise, enquanto a linha de ajuda da Caritas privilegiará outras situações, igualmente difíceis, mas que não poderão ser tidas como prioritárias pela primeira frente de ajuda da Igreja algarvia. “Todas as famílias carenciadas que aparecerem serão beneficiadas, atendendo às características e especificidade de cada uma”, garantiu o presidente da Caritas Diocesana do Algarve.

Carlos Oliveira disse ainda que “há alguns casos identificados que já foram apoiados pelo fundo diocesano, mas que continuam numa situação de grande debilidade e que poderão ser alvos de novo apoio, agora pelo fundo da Caritas”. “Aguardamos que as comunidades paroquiais façam chegar à Caritas situações para serem contempladas”, apelou ainda aquele responsável, adiantando que na próxima semana está já agendada uma reunião com as paróquias de Loulé para tratar deste assunto.

As paróquias do Algarve aderentes à iniciativa ‘10 Milhões de Estrelas – Um gesto pela Paz’ receberam, logo no dia 8 de Dezembro, no final da celebração eucarística da solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria, na Sé Catedral de Faro, as ‘Lâmpadas da Paz’ associadas à campanha. Todas elas, e outras que não vieram receber a lanterna da paz, empenharam-se na acção e houve mesmo algumas que promoveram outras iniciativas, enquadradas no âmbito do objectivo pretendido, para além da vendas de velas e fotoforos.

Vila do Bispo organizou uma Vigília de Oração pelos Desempregados; Boliqueime promoveu também uma oração pública, com a participação de autoridades locais, que teve início no adro da igreja e que terminou no seu interior; Cachopo realizou um Concerto de Natal na igreja, antecedido por um pequeno acto litúrgico; Nossa Senhora do Amparo, em Portimão, promoveu uma concentração em frente à Câmara Municipal, seguida de uma Marcha pela Paz para a igreja.

A nível diocesano, a iniciativa foi este ano acolhida pelas paróquias e pela cidade de Tavira, que teve início na manhã do dia 19 de Dezembro, no largo em frente à Câmara Municipal com a realização de actividades com crianças, como a encenação do presépio, pinturas, desenhos e a decoração dos fotoforos, tendo sido feita ainda a venda destes e de velas ao público.

Às 21h teve início no mesmo local a Marcha da Paz que seguiu em silêncio debaixo de uma noite gelada até à igreja do Carmo, para participação no Concerto de Natal organizado pela Câmara de Tavira, no qual participaram o grupo Psallite Chorus e o grupo Coral de Tavira, ambos oriundos da cidade anfitriã, e o Coro de Câmara de Beja que levaram alto a dimensão cultural da iniciativa.

O presidente da Caritas algarvia faz um “balanço positivo” da realização da campanha na região e considera que a mensagem transmitida, tendo como objectivo o apoio às vítimas da crise, “teve uma correspondência muito grande”.

Apesar de ter havido comunidades paroquiais continuam a não colaborar, outras houve que “colaboraram e de uma maneira muito forte”. “Foi uma surpresa, pois não costumavam ter uma expressão tão grande”, confessa Carlos Oliveira.

Pub