Pub

Com as barras algarvias sucessivamente fechadas devido às condições climatéricas adversas, os pescadores e as suas famílias estão privados da única fonte de subsistência explica o presidente da Caritas algarvia, lembrando a coincidência desta solicitação ocorrer em plena Semana Caritas que se iniciou no passado dia 1 e se prolonga até ao 7 de Março.

Carlos Oliveira adianta que a organização católica foi ontem contactada pela Câmara de Faro, através do Departamento de Acção Social, que até agora tem vindo a apoiar estas famílias que têm uma média de três elementos por agregado familiar. “A Câmara Municipal solicitou a nossa ajuda, procurando saber até que ponto é que seria possível o fornecimento de alimentos àquelas pessoas”, relata aquele responsável, explicando que, “como a Caritas não pode fornecer alimentos através do PCAAC (Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados) porque aquele apoio já tem famílias determinadas, decidiu, através dos fundos próprios, atribuir senhas Ticket Alimentação para aquelas famílias se poderem abastecer nos supermercados”.

Recorde-se que a Caritas tem a decorrer uma campanha, fruto de um protocolo estabelecido com a Ticket Restaurant de Portugal, que visam garantir o acesso a alimentos por parte de famílias mais envergonhadas.

Ticket Alimentação é uma campanha, lançada a nível nacional, que fornece a famílias e pessoas carenciadas vales para compras, consoante o valor dos mesmos seja financiado nas Caritas Diocesanas. Na prática, os interessados em ajudar os mais pobres, dirigem-se às Caritas Diocesanas e entregam o valor correspondente a um ou mais vales, cujo valor unitário pode ir dos 5 aos 15 euros, adquirindo em troca o respectivo recibo de donativo. Posteriormente, as pessoas carenciadas dirigem-se às Caritas Diocesanas para receberem então os vales já financiados com os quais poderão fazer as suas compras de géneros alimentares em super e hipermercados aderentes, cuja lista está disponível em www.ticket.pt.

O presidente da Caritas algarvia assegura que estas famílias da Ilha de Faro, que vêm os seus problemas agravados com a presente situação, são precisamente casos de pobreza envergonhada “porque têm alguma vergonha de vir buscar os alimentos às instituições”.

No entanto, e porque os Ticket Alimentação “não chegaram para todos”, Carlos Oliveira adianta que houve necessidade de recorrer a outros recursos provenientes da “dádiva das pessoas que no ano passado contribuíram para ajudar a Caritas, sobretudo através do Peditório de Rua”.

O presidente da Caritas apela então ao contributo dos algarvios no peditório de rua que hoje se inicia e se prolonga até dia 7 de Março, reconhecendo que o apoio da instituição à famílias da Ilha de Faro “não é suficiente”. “É um apoio para assistir às famílias apenas durante os próximos dias. Esperemos que o mar acalme para as pessoas poderem fazer a sua vida normal, até porque também não temos capacidade para estar a apoiar sine die”, disse.

Madeira

Sobre a campanha de apoio à Madeira Carlos Oliveira adiantou que tem havido “significativas ofertas”, sobretudo ao nível de bens. “Há um hotel que se prontificou para fazer uma doação de atoalhados e tem havido, da parte de algumas pessoas, contributos financeiros. Todos os dinheiros que vêm para a Caritas Diocesana serão reencaminhados para a conta da Caritas Portuguesa que os fará chegar ao Funchal, tendo a certeza de que esses dinheiros e bens serão utilizados com toda a fidelidade”, disse, acrescentando que a resposta à campanha tem sido geograficamente “restrita”. “Centra-se muito mais na população de Faro e arredores, se bem que algumas pessoas têm enviado cheques para a Caritas de outras zonas do Algarve”.

Samuel Mendonça

Pub