Pub

O representante do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Telecomunicações e Audiovisuais (SINTTAV) no Algarve, Hélder Andrade, disse à agência Lusa que a intenção da empresa foi hoje comunicada numa reunião aos 10 funcionários do quadro e dois contratados que exerciam funções nos cinemas do centro comercial situado na Guia, concelho de Albufeira.

“A reunião ainda não terminou, mas nós já soubemos através de um funcionário que a empresa vai realizar um despedimento coletivo de 54 trabalhadores do quadro e 20 contratados a prazo, a nível nacional, sendo 12 dos cinemas da Guia”, afirmou esta manhã o sindicalista.

A decisão de encerrar 49 salas em todo o país afetará oito complexos de cinema localizados em centros comerciais do grupo Sonae Sierra em Viana do Castelo, São João da Madeira, Covilhã, Leiria, Loures, Seixal, Guia e Ponta Delgada.

No início deste mês, a já tinham sido encerradas as seis salas de cinema do Centro Comercial Continente, em Portimão.

A justificação dada pela empresa, segundo a mesma fonte, “foi a de que não tinha chegado a acordo com a Sonae Sierra relativamente aos alugueres dos espaços”.

“Para aquelas pessoas que só têm este rendimento, este despedimento coletivo é uma grande tragédia. As pessoas têm compromissos com casas, contas, têm filhos na escola e os subsídios de desemprego são cada vez mais reduzidos”, lamentou o dirigente sindical.

Hélder Andrade considerou que a decisão da Socorama de encerrar as nove salas de cinemas da Guia é ainda menos compreensível por “em 2012 ter registado um aumento das receitas” nesses espaços.

“E tememos que a empresa peça agora a falência, faça o despedimento coletivo e depois as salas de cinema voltem a abrir com outra empresa e com trabalhadores com maior precariedade, uma vez que o novo Código do Trabalho prevê indemnizações mais reduzidas e menos regalias”, acrescentou.

O dirigente do SINTTAV considerou também que o encerramento dos cinemas da Guia deixa a região desprovida de uma oferta complementar ao turismo de golfe, sol e praia que o Algarve acolhe, sobretudo “depois de no início do ano também terem fechado as salas de Portimão”, onde ainda estão duas abertas, mas da empresa Algarcine.

“O encerramento das salas de Portimão e da Guia, aliado ao já verificado em Vilamoura, Quarteira e Loulé, vai deixar o Algarve apenas com cinemas abertos em Faro, Tavira e Olhão. A oferta está cada vez mais reduzida e isto prejudica também o turismo”, acrescentou.
Lusa

Pub