Pub

Desde ontem, dia 21 de Fevereiro, o Município de Albufeira e a Direcção Regional de Cultura do Algarve passaram a trabalhar em conjunto, numa parceria que tem por objectivo a realização de acções de promoção e a fruição pública do Castelo de Paderne.

O protocolo de colaboração assinado pelo presidente da autarquia albufeirense Desidério Silva, e pela directora regional da Cultura Dália Paulo, prevê a cedência de utilização deste monumento classificado ao município de Albufeira, que passa a ser responsável pela sua gestão. “Pretendemos que este imóvel considerado Património Nacional e inserido na Rede Natura 2000, esteja ao dispor da população e possa servir de palco a eventos culturais de relevo”, referiu Desidério Silva. O autarca acredita que o património histórico é um factor cada vez mais importante na escolha do destino turístico, pelo que “se torna essencial apostar na oferta de espaços que divulguem o património do concelho, como temos vindo a fazer com a recuperação das várias Igrejas, a manutenção do Museu Municipal de Arqueologia, a dinamização das Galerias de Arte, a criação do futuro Museu do Barrocal, e, agora, com a disponibilização ao público do Castelo de Paderne”.

Na sua intervenção, Dália Paulo destacou a importância regional do monumento, um dos 118 Imóveis Classificados no Algarve, e enumerou algumas das intervenções de conservação e restauro que a Administração Central tem vindo a realizar no Castelo de Paderne. “Hoje é o primeiro dia da nova história deste monumento, que marca a devolução do património às pessoas”, afirmou. Para a directora regional, “é imperativo que se proceda à qualificação da oferta turístico -patrimonial da região, conseguida através deste tipo de parcerias”.

Durante a cerimónia de celebração do protocolo, o secretário de Estado da Cultura, Elísio Summavielle, referiu que as “características peculiares do Castelo de Paderne, como a sua construção em taipa, merecem ser relevadas e valorizadas”.

Para o presidente da Assembleia Municipal, “este monumento de grande individualidade merece ser divulgado ao público”. Carlos Silva e Sousa defende que “para além da vertente cultural e educativa, o Castelo de Paderne também deve desenvolver uma vertente de atracção turística”.

De acordo com o protocolo de colaboração, serão implementadas estruturas de apoio no exterior da área do Castelo para acolhimento dos visitantes e para divulgação do monumento.

A população passa, assim, a poder usufruir deste espaço para fins educativos ou de lazer, beneficiando da melhoria de condições de que vai ser alvo este Imóvel de significativa expressão para o concelho e para toda a região algarvia.

Pub