Pub

D. Manuel Quintas começou por presidir à oração de vésperas que se seguiu à adoração eucarística que teve lugar durante toda a tarde na igreja de São Luís e depois à procissão com o Santíssimo Sacramento que se seguiu até à igreja de São Pedro com a participação de uma grande multidão, com particular destaque para muitas crianças que naquele dia realizaram a sua primeira comunhão.

À chegada ao Largo de São Pedro, o Bispo do Algarve, que começou por se congratular com a participação do grande número de crianças, destacou o sentido da realização daquela manifestação pública de fé. “É assim que a Igreja e nós também, aqui no Algarve, mostramos a Eucaristia, o tesouro mais precioso da Igreja, o sacramento da presença real e substancial de Cristo. É assim que exprimimos a nossa fé em atitude de adoração e contemplação e manifestamos, com muita alegria e convicção, numa procissão pelas ruas da nossa vida quotidiana, a procissão por excelência da liturgia da Igreja porque nela se venera e adora o Senhor Jesus presente na Eucaristia. Eis a razão do nosso canto, aclamações, alegria, oração, louvor a Jesus”, disse.

O prelado, que explicou ainda que a Eucaristia “é antes de mais um mistério de fé”, disse que aquele sacramento “impele todo aquele que acredita em Cristo a fazer-se «pão repartido» para os outros e, consequentemente, a empenhar-se por um mundo mais justo, equitativo e fraterno”. “Ao adorarmos o Corpo d’Aquele que é a nossa cabeça, enquanto membros da Igreja, não podemos deixar de ser solidários com todos os seus membros, particularmente os que reclamam a nossa ajuda”, complementou D. Manuel Quintas, acrescentando que a vida eterna, de que a Eucaristia é alimento, “começa já agora através da mudança que o dom eucarístico opera” na vida dos cristãos. “É o serviço aos outros que dá autenticidade e verdade à nossa participação na Eucaristia. E sabemos como são tantos os apelos que nos chegam de todos os lados, particularmente no tempo de crise e privações em que vivemos”, sublinhou o Bispo diocesano.

Neste contexto, o Bispo do Algarve destacou ainda a mobilização em torno da última campanha do Banco Alimentar Contra a Fome (BACF) “e como foi bom, concretamente no Algarve, ver tanta gente a partilhar o pouco que tem com quem tem menos ainda do que ele”. “Mais uma vez aumentou o número de voluntários que se disponibilizou para colaborar nessa recolha que se fez, dirigida pelo BACF. É certamente essa uma resposta a este apelo de Jesus”, disse, considerando que “a fé na Eucaristia deve conduzir-nos sempre a partilhar o que somos”.

Samuel Mendonça

Pub