Pub

Passam amanhã 25 anos sobre a inauguração do Centro Pastoral e Social da Diocese do Algarve, em Ferragudo, ocorrida precisamente no contexto das comemorações dos 200 anos do Seminário de São José de Faro.

Foto © Luís Guerreiro

Foi no dia 08 de janeiro de 1997 que D. Manuel Madureira Dias presidia à bênção e inauguração do Centro Pastoral. Na cerimónia, o então bispo do Algarve lembrou que quem o tinha sonhado fora D. Júlio Tavares Rebimbas, bispo da diocese algarvia entre 1965 e 1972 e então bispo do Porto, que também esteve presente. “O senhor D. Júlio foi quem sonhou esta obra. Não fui eu que a sonhei, foi ele. Chegou a ter um projeto feito para implantar aqui uma construção e que não pôde realizar”, afirmou D. Manuel Madureira Dias, que acabou por ser o concretizador da obra.

Foto © Luís Guerreiro

Em nota pastoral de 29 de dezembro de 1996, publicada no jornal Folha do Domingo, D. Manuel Madureira Dias explicava as razões da construção daquela obra. “Ao darmos início às comemorações bicentenárias do nosso Seminário com a inauguração deste Centro, temos a sensação do início de uma nova era na vida do Seminário e da própria Diocese. A partir de Hoje teremos muito mais possibilidades de responder às necessidades de todos os fiéis. Em tempo de tanta azáfama e correria, precisamos de oferecer aos cristãos lugares tranquilos para fazerem silêncio e procurarem o que de mais profundo há no coração!”, referia o bispo do Algarve.

Foto © Luís Guerreiro

“O Centro de Ferragudo, de mãos dadas com o Seminário e com a Casa de Retiros de São Lourenço fará um tríptico admirável pela variedade de condições capaz de responder a algumas das necessidades mais prementes da Igreja diocesana”, prosseguiu, acrescentando que os “sacerdotes idosos ou doentes terão mais possibilidades de uma assistência fraterna e humanizante, após terem gasto as suas energias ao serviço dos irmãos”. O edifício inclui seis pequenos apartamentos no último piso, pensados para os sacerdotes idosos ali residirem.

Foto © Luís Guerreiro

“Os nossos seminaristas e sacerdotes, no ativo, poderão encontrar, com facilidade, um lugar de pausa e reflexão e até de descanso. Os fiéis terão maiores e melhores hipóteses de escolha dos locais de retiro, cursos e até de férias. Os amigos da diocese poderão usufruir de alguns bem merecidos dias de férias, em lugares diversificados e propiciadores de um repouso tonificante e necessário. A nossa esperança é que, afinal, todas estas estruturas possam estar ao serviço dos irmãos e contribuam para o melhor bem de todos”, acrescentava ainda o hoje bispo emérito da diocese, agradecendo ainda “a todos quantos colaboraram, por qualquer forma, para que este sonho com 30 anos de existência tomasse corpo e se tornasse realidade visível”.

O Centro Pastoral foi erguido num terreno propriedade do Seminário de São José, com uma área aproximada de 9021m², junto à igreja matriz de Ferragudo, com umas casas antigas onde durante muitos anos, em tempo de verão, funcionou o Seminário de Férias, proporcionando aos seminaristas um complemento da sua formação.

Na edição de 30 de setembro de 1994 do Folha do Domingo foi aberta uma campanha de ajudas, tanto em dinheiro como em materiais de construção, para a obra que teve início no mês seguinte. Nesse mesmo ano realizou-se um bazar de Natal em Faro, na livraria da tipografia da diocese, e o lançamento de um sorteio para contribuição com as obras.

A bênção da primeira pedra ocorreu no dia 8 de janeiro de 1995.

Durante muitas edições, o jornal Folha do Domingo foi dando conta dos avultados donativos de paróquias, particulares, empresas, entre outros contribuintes, para a concretização do projeto que não teve comparticipação do Estado. Na de 08 de novembro de 1996 referia-se sublinhava-se a finalidade da obra: “No advento do terceiro milénio, a casa de Ferragudo será um instrumento ao serviço da evangelização e um apoio aos que nela se empenham. Será também lugar onde não faltarão oportunidades de anúncio e formação da fé”.

A inauguração contou ainda com a presença do núncio apostólico da altura, monsenhor Edoardo Rovida, do então arcebispo de Évora, D. Maurílio de Gouveia, do então bispo de Beja, D. Manuel Falcão, do então governador civil de Faro, Fialho Anastácio, do então presidente da Câmara de Lagoa, Joaquim Piscarreta, do presidente da Junta de Freguesia de Ferragudo e da arquiteta Maria Antónia Garcia Vargues, autora do projeto.

O Centro Pastoral e Social de Ferragudo foi inaugurado com três pisos, uma cave e sub-cave, 45 quartos, 15 por piso, salas de reuniões e encontros, duas capelas, um grande salão capela e uma capela e ainda das necessárias instalações de apoio e serviços, refeitório cozinhas e anexos próprios, lavandaria e rouparia, uma garagem com capacidade para cerca de 60 automóveis na cave, para além dos pequenos apartamentos já referidos.

Na semana de 20 a 22 de janeiro de 1997 realizaram-se no edifício as jornadas de atualização do clero algarvio, a primeira atividade a ser ali acolhida.

Foto © Luís Guerreiro
A arquiteta Maria Antónia Garcia Vargues • Foto © Luís Guerreiro

Só a 19 de junho daquele ano, por ocasião do Dia do Sacerdote, é que foi feita bênção da capela e a dedicação do altar.

Pub