Inicio | Sociedade | Cerca de 300 pessoas manifestaram-se em Portimão em defesa do Serviço Nacional de Saúde

Cerca de 300 pessoas manifestaram-se em Portimão em defesa do Serviço Nacional de Saúde

Hospital_portimaoCerca de 300 pessoas concentraram-se no sábado à entrada do hospital de Portimão, em protesto contra a austeridade e os cortes financeiros, exigindo “um melhor” Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Convocada pela Comissão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde, a manifestação teve início cerca das 15:30, e juntou autarcas, utentes e profissionais de saúde das unidades hospitalares do Algarve.

Entoando palavras de ordem contra o Governo e em defesa do SNS, os manifestantes ostentavam também cartazes onde se lia: “Governo Rua”, “Melhor saúde” e “A saúde é um direito”.

Em declarações à agência Lusa, Maria José Pacheco, representante do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses indicou que “faltam as condições mínimas para prestar cuidados de excelência às pessoas e, neste momento, até com um mínimo de dignidade”.

De acordo com a sindicalista, “os profissionais são cada vez menos e os doentes cada vez mais e não há condições de trabalho” nos hospitais de Lagos, Portimão e Faro, unidades que compõem o Centro Hospitalar do Algarve.

“Como não há profissionais em número suficiente e estes fazem mais horas, o erro é mais suscetível de acontecer”, alegou Maria José Pacheco, acrescentando que “faltam também materiais básicos como medicamentos que as pessoas têm de ir comprar ao exterior para usarem dentro do hospital”.

“Isto é inadmissível”, destacou, observando que neste momento “estão a destruir o Serviço Nacional de Saúde, que é um serviço de excelência, porque não está em causa a competência dos profissionais, mas sim uma vontade política de encerrar serviços e privatizar a saúde”.

Por seu turno, Pedro Purificação da Comissão de Utentes da Saúde disse à Lusa que o Centro Hospitalar do Algarve “está a fazer o contrário do que tinha anunciado, ao acabar com serviços às populações”.

“Acabaram valências como a cirurgia em Lagos, hospital que agora é apenas um centro de saúde”, alegou aquele responsável.

De acordo com Pedro Purificação, “a criação do centro hospitalar irá afetar negativamente os cuidados de saúde em Portimão”, sublinhando que a comissão irá manter “a voz elevada em defesa dos cuidados de saúde às populações do Algarve”.

“A luta vai continuar até termos novamente o Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio”, concluiu.

Verifique também

PJ detém militar suspeito de abusar sexualmente de menor no concelho de Tavira

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção, na quinta-feira, de um militar de 25 …