Inicio | Igreja | Chuva condicionou a acção de rua da campanha ‘10 Milhões de Estrelas’

Chuva condicionou a acção de rua da campanha ‘10 Milhões de Estrelas’

O tempo, pouco convidativo a saídas de casa, condicionou a adesão de maior número de pessoas à exposição e às actividades que decorreram de manhã na Cerca do Convento, e que incluíram a venda de velas e de fotoforos, e motivou mesmo o cancelamento, à noite, da Marcha pela Paz prevista da Câmara Municipal até à igreja matriz, onde acabaram por se juntar pouco mais de 50 pessoas para o concerto com o grupo Stella Splendens.

Oriundo da vizinha região da Andaluzia (Espanha), o quarteto de música medieval brindou os presentes com temas recuperados do século XIII, dedicados a Santa Maria.

Este momento cultural foi antecedido pelo acendimento da Vela da Paz, protagonizado por uma criança que também declamou um poema dedicado àquela temática, e pela intervenção do presidente da Cáritas Diocesana do Algarve que explicou o sentido da iniciativa.

Carlos Oliveira salientou que a campanha ’10 Milhões de Estrelas’ tem como objectivo “abordar, pelo menos uma vez por ano, os valores da paz, justiça e solidariedade”. “É nesse contexto que estamos aqui, para a consciencialização da importância destes valores”, observou.

No final da noite, o presidente da Câmara de Loulé também interveio para lembrar que a paz pretendida não é referente apenas à ausência de “conflitos bélicos”. “Tem muito a ver também com a nossa paz interior. Só assim poderemos propagar a paz aos outros”, justificou Seruca Emídio.

O autarca lembrou o papel da Igreja, ao longo dos séculos, na consecução da solidariedade mas advertiu que a mesma, “cada vez mais, é da responsabilidade de todos, da sociedade civil”.

A intervenção do Bispo do Algarve foi na mesma linha. D. Manuel Quintas, com base na mensagem colectiva de Natal dos bispos portugueses, apelou à “co-responsabilidade na esperança”. O prelado desafiou os algarvios a olhar para aquilo que acontece à sua volta e a envolver outros, caso não tenham capacidade de resposta para fazer face às suas necessidades. “Tudo isto feito com esperança e a certeza de que tem sido de mãos dadas que conseguimos ultrapassar as dificuldades”, lembrou.

O Bispo diocesano apelou ainda aos algarvios para que sejam “não só mais solidários mas mais fraternos”. “Aquele que celebramos veio abrir-nos sobretudo à fraternidade, a considerarmos o outro, não só como o nosso próximo, com o qual somos chamados a ser solidários, mas como nosso irmão”, explicou, considerando que “só a partir desta fraternidade é que podemos ultrapassar as dificuldades em que vivemos todos mergulhados”.

D. Manuel Quintas destacou Loulé como um município que “vive intensamente a dimensão solidária pelas diversas instituições que tem (algumas ligadas às paróquias), pelas iniciativas que promove e pelo acolhimento que sempre manifesta a acções deste cariz”.

A concluir, o Bispo do Algarve deixou uma exortação aos presentes. “Nós podemos ser esta luz, o anúncio de tudo o que vivemos aqui esta noite e, sobretudo, construtores dessa paz que almejamos. Que cada um leve no coração esta vela acesa, sabendo que desta maneira vamos contribuir para este mundo ser melhor”, pediu.

Aquele dia ficou ainda marcado pela plantação da Árvore da Paz, uma oliveira que foi plantada ao final da manhã junto ao Tribunal de Loulé.

Nas 25 paróquias e instituições algarvias, aderentes este ano à campanha, o simbolismo da plantação repetiu-se, assim como a realização de outras actividades em prol da paz, justiça e solidariedade. Este ano, as acções relacionadas com a iniciativa voltaram a iniciar-se na celebração da solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria, quando, no decurso da Eucaristia, foi entregue uma oliveira a cada paróquia ou instituição aderentes.

Recorde-se que esta campanha da Cáritas tem como consequência a partilha generosa com os mais pobres e os excluídos da sociedade. A acção, este ano, volta por isso a ajudar no combate à crise. Das receitas conseguidas com a venda de velas e fotofóros (respectivamente pelo valor de 1 e 2,50 euros), 65% reverterão para o fundo de apoio aos desempregados e vítimas da crise da Diocese do Algarve e os restantes 35% serão canalizados para um projecto de luta contra a pobreza infantil, em São Tomé e Príncipe, cujo bispo é um português.

A campanha deste ano tem ainda a particularidade de poder contar com a participação de José Mourinho, que é a cara ao spot publicitário, disponível no YouTube.

Ainda no âmbito desta iniciativa, a Caritas convida agora cada português a acender uma vela na noite de 24 de Dezembro, véspera de Natal, e a colocá-la à janela da sua casa.

Samuel Mendonça

Verifique também

Peregrinação desafiou famílias das paróquias da vigararia de Loulé a serem “evangelizadoras do amor”

As famílias das paróquias que constituem a vigararia de Loulé peregrinaram no passado sábado a …