Pub

Na cerimónia inaugural, a população, acompanhada pelo executivo municipal e técnicos da obra, teve a oportunidade de fazer uma visita ao interior do edifício e conhecer algumas das áreas normalmente interditas ao público.

Neste momento histórico para o Cine-Teatro o presidente da Autarquia relembrou as individualidades louletanas que estiveram na génese da sua fundação. Quanto à obra, o autarca justificou a opção em fazer uma reabilitação do antigo edifício em vez de criar uma obra de raiz. “A decisão que nos levou à aquisição do edifício, devolvendo a sua propriedade ao povo de Loulé, só fazia sentido se prosseguida por uma outra que visasse a sua recuperação, reabilitação e remodelação, em defesa e promoção do património construído”, salientou.
Apesar de momentos difíceis na história do Cine-Teatro Loueltano, nomeadamente na década de 70, altura em que esteve à beira de ser vendido para outros fins que não espaço de artes e espectáculos, Seruca Emidio mostrou-se confiante quanto ao novo rumo deste equipamento cultural: “O Cine-Teatro Municipal transforma-se, a partir de hoje, num instrumento de afirmação de uma política de preservação do património e desenvolvimento cultural e da história local. É, pois, um exemplo, mais um exemplo, um bom exemplo, do que temos feito e do que queremos continuar a fazer – pensar sempre o dia de amanhã”, disse, referido ainda que irá integrar “uma programação simples mas de qualidade que vá ao encontro dos diversos públicos e que alcance diferentes géneros de espectáculos”.

3,5 milhões de investimento

Antes desta intervenção, o edifício do Cine-Teatro Louletano encontrava-se em acentuado estado de degradação e bastante obsoleto em termos dos equipamentos técnicos. Por outro lado, existiam algumas deficiências e carências estruturais e arquitectónicas e alguns problemas de segurança, nomeadamente no 2º e 3º balcão que nos últimos tempos se encontravam encerrados ao público.

Assim, os principais objectivos desta intervenção passaram por quatro directrizes – modernidade, polivalência, segurança e conforto.

Os trabalhos efectuados incidiram na preservação das principais estruturas da sala de espectáculos – plateia, frisas, 1º e 2º balcão, passando agora a ter uma lotação para 314 espectadores. Por outro lado, optou-se por construir de raiz uma caixa de palco verdadeiramente dimensionada e equipada e novos núcleos de acessos verticais. Criou-se um palco tradicional inteiramente novo, equipado com bastidores laterais com dimensões bastante superiores às que existiam.

A instalação do sistema de ar condicionado da sala, a substituição das cadeiras e a execução de novos revestimentos dos tectos foram alguns dos trabalhos realizados, a par de uma profunda remodelação ao nível de materiais de revestimento, cores e pinturas, de modo a melhorar as condições deficientes de acústica, conforto e visibilidade.

Procedeu-se à demolição dos antigos camarins (substituídos por novos), bem como do 3º balcão.

Todas as zonas técnicas, instalações sanitárias, sub-palco, teia/palco, e boca de cena, foram objecto de reconstrução por não apresentarem condições de segurança que permitissem considerar o seu restauro. Foram, criados novos caminhos de evacuação em número e dimensão, nomeadamente instalação de elevadores, que garantam o respeito pela regulamentação em vigor.

O 2.º balcão – 70 lugares – foi totalmente reperfilado no que diz respeito aos degraus e profundidade.

Não obstante da forte apostado na modernização do espaço, preservou-se a memória do edifício, nomeadamente em termos da sua fachada, e apontamento no interior da sala.

Este investimento rondou os 3,5 milhões de euros.

Programação de qualidade para vários públicos

Espectáculos para diversos públicos, nas diversas áreas artísticas, da música à dança, passando pelo teatro e, naturalmente, pelo cinema, a diferenciação é a nota dominante no conjunto das actividades previstas para o presente ano no Cine-Teatro Louletano.

A organização do Cine-Teatro Louletano pretende oferecer ao público eventos distintos das restantes propostas culturais existentes na região, numa tentativa de tornar este ex-líbris da cidade um pouco como um espaço alternativo, mas mantendo o cariz tradicional do edifício. A qualidade será sempre o principal objectivo das actividades a realizar.

De um modo geral, as valências que aqui existiam mantêm-se. A grande diferença é que há melhores condições e equipamentos para dar resposta às necessidades sentidas anteriormente. Os espectáculos de teatro, dança ou música continuam a ser as grandes apostas deste espaço. Também o cinema continua a merecer destaque sobretudo porque foi instalada uma nova máquina de projecção, adaptada aos novos tempos da sétima arte. Outra das novidades introduzidas diz respeito a cabines de tradução que permitirão criar condições para acolher seminários, colóquios, conferências, criando também aqui uma espécie de centro de congressos, a par da vertente de sala de espectáculos.

81 anos de história

O Cine-Teatro Louletano manteve-se ao longo destes cerca de 80 anos de existência como propriedade da Sociedade Teatral Louletana, constituída em 1925 com o objectivo de “construir um teatro e suas dependências, a respectiva exploração em todas as suas manifestações de arte dramática, lírica, cinematográfica, concertos musicais, serões e conferências artísticas e em tudo o mais que lhe é próprio, excepto comícios políticos”. De entre o nome dos seus fundadores estavam Alberto Rodrigues Formosinho, António Maria Frutuoso da Silva, Artur Gomes Pablos, David Evaristo d’Aragão Teixeira, Dr. Joaquim Cândido Pereira de Magalhães e Silva, José da Costa Ascensão, José da Costa Guerreiro, José Martins Júnior e Manuel dos Santos Pinheiro Júnior que investiram um capital social de 180 contos divididos em nove quotas de 20 contos, ao qual se juntaram dois terrenos, um deles adquirido em hasta pública à Câmara Municipal de Loulé.

A inauguração oficial do teatro deu-se a 19 de Abril de 1930 mas, entre 15 e 23 de Março, já funcionara como cinema.

Na inauguração actuou a Companhia Teatral, da grande actriz Ilda Stichini, da qual faziam parte os artistas Clemente Pinto, Luz Veloso, Luís Prieto, Joaquim Oliveira, Alves da Costa, Maria Lagoa, Fernanda de Sousa e outros mais. Apresentaram a peça “Se eu quisesse”; no segundo dia “Os Filhos” e no terceiro “O Tambor e o Guiso”.

Para além das autoridades concelhias, estiveram, presentes nesta cerimónia autoridades distritais como o Governador Civil, o Secretário Geral e outras, além de muitos populares de Faro, Olhão, S. Brás, etc..

Durante décadas passaram por este palco grandes figuras da cena como Alves da Cunha, Berta de Bívar, Chaby Pinheiro, companhias de revista, etc., e mais recentemente alguns dos melhores actores nacionais como Maria do Céu Guerra, Raul Solnado ou Ruy de Carvalho.

No que concerne ao cinema, foram ali projectadas películas de fama mundial que encheram por completo aquela que é considerada a mais importante sala de espectáculos do Algarve.

Após vários anos de negociação difícil e burocrática com os proprietários do Cine-Teatro Louletano, a Câmara Municipal de Loulé adquiriu, em 2003, este ex-líbris cultural da cidade, do concelho e de toda a região. Ao longo dos tempos, o papel desempenhado pela Autarquia em termos de promoção dos eventos realizados neste espaço, bem como da manutenção do edifício, foi fundamental para que o Cine-Teatro não fechasse as suas portas ou não chegasse mesmo a ser demolido, apesar deste ser um edifício de domínio privado.

Ao longo dos anos, a Câmara Municipal levou a efeito obras de conservação e modernização deste imóvel de forma a satisfazer as exigências dos espectáculos de qualidade.

Pub