Pub

Os trabalhadores entendem que, por esta altura, já deveria de ter havido algum sinal da banca credora àquilo que foi apresentado na ultima reunião”, pelo que se dizem “preocupados” com o facto de, “a menos de uma semana da assembleia geral de credores, não exista ainda qualquer posição”, disse à Lusa o porta-voz da Comissão de Trabalhadores, José Carlos Parreiro.

Um grupo de 150 pequenas e médias empresas fornecedoras da maior cadeia de supermercados do Algarve apresentou, juntamente com os trabalhadores e fornecedores, um plano de viabilização que prevê a injeção 1,6 milhões de euros na cooperativa, permitindo dispensar o financiamento da banca e a reabertura gradual dos supermercados, começando com 27 lojas já a 1 de julho e as restantes a partir de setembro, já com nova insígnia.

A banca credora, onde se inclui o Millenium BCP, o BPI, a Caixa Geral de Depósitos e o BPN, analisaram o documento e, na altura, pediram vários esclarecimentos.

José Carlos Parreiro adianta que “essas questões estão a ser esclarecidas”, mas que, ainda assim, “reina o silêncio”.

A preocupação dos trabalhadores é partilhada pelos responsáveis do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), que, segundo porta-voz dos trabalhadores, também estarão presentes hoje, às 15 horas, nas instalações da Fissul, em Silves.

Os próprios fornecedores que integram a comissão de viabilização da cooperativa irão reunir-se esta tarde, às 18:00, no mesmo local, para debater o momento atual das negociações.

“Isto preocupa-nos bastante, pois a banca não tem argumentos para se opor a uma proposta que dispensa financiamento e que resolve os empréstimos contraídos pelos trabalhadores ao BPN”, disse ainda.

O grupo de mais de 150 fornecedores propõe-se a converter em capital social cerca de 17 milhões de euros de créditos sobre o património do grupo em insolvência desde agosto de 2009.

Todos os supermercados da cadeia estão encerrados desde o início de maio, para não agravar a dívida de 80 milhões de euros, uma vez que a comissão de credores não foi capaz de encontrar consenso quanto ao projecto de viabilidade elaborado pela Deloitte. O maior credor, o Millennium BCP, aprovou o plano, mas a Caixa Geral de Depósitos alegou já ter "levado o seu nível de apoio até ao limite".

A derradeira assembleia de credores está agendada para 30 de junho, pelo Tribunal de Silves.

Lusa

Pub