Pub

“Empreender uma ação surpresa, pública, contra as portagens, antes do Natal” e organizar uma “marcha lenta em janeiro na Via Infante e EN 125 desde a ponte do Guadiana até Faro” são as próximas iniciativas de luta contra as portagens no Algarve, informa a Comissão de Utentes da Via Infante, em comunicado de imprensa.

A Comissão de Utentes da Via do Infante (A22) adianta que vão tentar contar com a “colaboração de condutores espanhóis da Andaluzia” para o protesto de janeiro, assim como vão também promover reuniões com camionistas, e empresários para que participem nesse protesto.

O dia do protesto e a hora vão ser posteriormente divulgados, informa a mesma nota de imprensa.

A Comissão de Utentes da Via Infante já recolheu cerca de 14 mil assinaturas para a petição contra as portagens na A22 e está a aguardar que o presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, agende o dia em que vai reunir com a aquela Comissão e receber a petição.

Os 16 municípios algarvios, através da Comunidade Intermunicipal do Algarve (Amal), já apelaram recentemente a um boicote geral da população ao pagamento de portagens na A22.

A posição de força contra o Governo surge após a AMAL ter-se apercebido de que está a ser preparada a colocação de 10 pórticos de cobrança na A22 sem o seu conhecimento.

A última iniciativa da Comissão de Utentes foi dia 26 de novembro, onde cerca de duas dezenas de viaturas realizaram uma marcha lenta de protesto à entrada da capital algarvia, na EN 125, que bastou para instalar a confusão no trânsito em Faro.

Lusa

Pub