Breves
Inicio | Cultura | Concerto de Ano Novo “abre oficialmente” temporada da Orquestra Clássica do Sul

Concerto de Ano Novo “abre oficialmente” temporada da Orquestra Clássica do Sul

Orquestra_classica_sul1A Orquestra Clássica do Sul (OCS), sucessora da Orquestra do Algarve e que se estreou em outubro passado, anunciou que vai iniciar a sua temporada oficial em janeiro próximo com um concerto em Loulé, dirigido pelo maestro Jean-Marc Burfin.

A OCS apresentou-se pela primeira vez no passado dia 04 de outubro, na igreja do Carmo, em Tavira, e “embora em atividade artística desde outubro de 2013, inicia a sua temporada oficial em janeiro de 2014, que decorrerá até dezembro do próximo ano”, acrescentou a orquestra em comunicado.

O concerto de Ano Novo, que abre a temporada, realiza-se no dia 01 de janeiro às 17:30, no Cineteatro Louletano, em Loulé. O programa do concerto, “seguindo a tradição vienense, brinda a chegada de mais um ano com as famosissímas polcas e valsas da família Strauss, nomeadamente a célebre valsa ‘Danúbio Azul’ e a ‘Marcha Radetzky’, que encerra o programa”, disse à Lusa fonte da OCS.

Além das obras da dinastia Strauss, a OCS interpretará também a Dança Húngara n.º 5, de Johannes Brahms, e a “Dança das Horas”, da ópera “La Gioconda”, de Almicare Ponchielli.

O mesmo programa é apresentado no dia 02 de janeiro, às 21:30, no Cineteatro Sousa Telles, em Ourique, no Baixo Alentejo.

Aquando da sua apresentação à imprensa, em setembro passado, Cesário Costa, maestro titular e diretor artístico da OCS, afirmou a intenção de a orquestra, além do Algarve (onde tem a sua sede), se apresentar no Alentejo, Península de Setúbal e na Andaluzia.

No ano de 2014 a OCS prevê também deslocar-se a Angola, anunciou Cesário Costa.

Entre as várias iniciativas para esta temporada, o maestro e diretor artístico anunciou a realização de um concurso internacional de Jovens Maestros, um outro para Jovens Solistas, destinado aos estudantes do sul de Portugal e de Espanha, e um “atelier” para novos compositores dirigido por António Pinho Vargas, a quem a OCS encomendou uma peça que irá estrear.

O maestro Jean-Marc Burfin, que vai dirigir a OCS em Loulé e Ourique, é atualmente professor na Academia Nacional Superior de Orquestra da Metropolitana, em Lisboa, e maestro titular da respetiva Orquestra Académica. Obteve em 1987, por unanimidade, o 1.º prémio de direcção de orquestra na classe de Jean-Sébastien Béreau, no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris, e, no mesmo ano, em julho, a convite de Leonard Bernstein, dirigiu a Orquestra Sinfónica de Paris.

Burfin frequentou “masterclasses” orientadas por Franco Ferrara, Charles Bruck, Pierre Boulez e Vitaly Kataev e é diplomado pela Academia de Verão do Mozarteum, em Salzburgo, na Áustria.

Em 1991 Jean-Marc Burfin foi finalista laureado do Concurso Internacional de Jovens Diretores de Orquestra de Besançon, em França, e recebeu um prémio especial da Orquestra da Rádio-Televisão de Moscovo.

O maestro francês dirigiu várias orquestras no seu país natal e também a Potsdam Phillarmonie, Würtembergische Phillarmonie e a Sinfónica de Oviedo, entre outras. Na temporada de 2003/04 foi diretor artístico da Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Verifique também

Albufeira, Loulé, Silves e Universidade do Algarve preparam candidatura a geoparque mundial

Preservar um território que mostra a evolução geológica da terra durante 360 milhões de anos …