Pub

Aquela conferência vicentina, que exerce a sua ação sóciocaritativa em todo o concelho de Faro há mais de 80 anos, explica ainda que perdeu subscritores e tem menos donativos por parte de pessoas que sempre ajudaram. “Hoje somos nós que as estamos a ajudar, em especial com alimentos, porque há cada vez mais famílias com necessidade de ajuda e menos pessoas a poder ajudar”, refere um comunicado enviado ao Folha do Domingo.

O ano passado, a Conferência Beato Nuno de Santa Maria apoiou mais de 100 famílias carenciadas, às quais distribuiu cerca de oito toneladas de alimentos provenientes do Banco Alimentar Contra a Fome.

“Não podendo contar atualmente com qualquer apoio da parte das entidades oficiais, só graças à generosidade e amor de muitas pessoas – muitas delas também quase a necessitar de apoio – foi possível distribuir por cerca de 50 dessas famílias mais de 8.300 euros”, explica o presidente daquela conferência vicentina, referindo-se às ofertas particulares através de peditórios (6.160 euros), quotas (1.854 euros), donativos (629 euros) e coletas (315 euros), bem como à campanha de Natal levada a cabo pela Rádio Renascença (315 euros).

Ao longo de 2012, a ajuda prestada pela instituição farense contribuiu para o pagamento de rendas de casa e para a aquisição de medicamentos.

Silvério dos Reis de Jesus acrescenta que aquela instituição procura, através de “muitos homens e mulheres, que de forma voluntária, vêm dedicando parte das suas vidas a ajudar aos mais carentes e necessitados, tentando com a sua generosidade e amor contribuir para uma sociedade mais humanizada e justa, substituído, até muitas vezes, o próprio Estado”. “Neste mar de dificuldades, estamos dispostos a seguir em frente, enfrentando com confiança e determinação esta nobre missão de amor a favor dos nossos irmãos mais necessitados, tentando debelar ou atenuar as suas muitas situações de pobreza”, complementa.

A Conferência Beato Nuno de Santa Maria deixa um “profundo agradecimento a todos os que, de qualquer modo, contribuíram para que fosse possível este trabalho”.

“Em virtude de serem cada vez mais as famílias que nos solicitam apoio, fazemos mais um apelo a todos os irmãos de boa vontade para que se juntem a nós”, acrescenta ainda o comunicado, salientando que a membros voluntários daquela conferência vicentina “já estão cansados derivado à sua idade avançada”.

A Sociedade São Vicente de Paulo desenvolve o seu trabalho através de 900 grupos paroquiais em Portugal, onde colaboram cerca de 15 mil pessoas.

A Sociedade de São Vicente de Paulo, inspirada no santo francês com o mesmo nome que viveu entre 1581 e 1660, foi fundada em Paris no ano de 1833 por um grupo de estudantes liderados pelo Beato Frédéric Ozanam, tendo chegado a Portugal em 1859, quando foi criada a primeira Conferência, em Lisboa.

Samuel Mendonça

Pub