Pub

A crise mundial e europeia ou as mais recentes guerras e conflitos são temas em destaque na reunião do Conselho Mundial do Projeto José Martí, que pela primeira vez se realiza na Europa, em Vila Real de Santo António.

A reunião, que se realiza entre a próxima terça e quinta-feira, vai levar à cidade algarvia intelectuais de todo o mundo, mas sobretudo da América Latina, sob a égide do pensador, poeta, político e filósofo cubano José Martí, criador do Partido Revolucionário Cubano (PRC), disse à Lusa o autarca Luís Gomes.

“O Conselho Mundial do Projeto José Martí de Solidariedade Internacional é um programa apoiado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) que visa discutir e refletir sobre a situação do Mundo, com base na obra de José Martí pelo equilíbrio mundial”, explicou.

Depois de ter sido um dos autarcas que estabeleceram parcerias com os serviços de saúde cubanos para prestação de cuidados aos munícipes, Luís Gomes integrou, no ano passado, no Panamá, a reunião do Conselho Mundial do Projeto José Martí, que este ano vai cumprir em Vila Real de Santo António a sua nona reunião anual.

“Acho que é um momento bastante importante para Vila Real de Santo António, porque significa nós acolhermos cá uma prestigiada entidade, que é este Conselho Mundial”, afirmou Luís Gomes, para quem o encontro é “um espaço de reflexões” e “de conferências” que este ano “vão passar também pela Universidade do Algarve e pelas universidades espanholas de Huelva e Sevilha”.

Luís Gomes disse ainda que o Conselho Mundial é composto por um conjunto de personalidades de todo o Mundo, sobretudo da América Latina, como Frei Betto, “que é um homem ligado à teologia da libertação e inspirou movimentos como o de Lula da Silva [Brasil]”, ou o “antigo diretor geral da UNESCO, Frederico Saragoza”.

“Temos aqui diversas entidades e intelectuais de todo o mundo, sobretudo da América Latina, que vêm dar em Vila Real de Santo António também a sua reflexão acerca dos problemas do Mundo hoje”, frisou o autarca.

Integram o Conselho Mundial cerca de três dezenas de participantes convidados, mas o autarca sublinhou que as conferências são abertas ao público e vão fazer uma “reflexão sobre a atualidade, a situação que a Europa hoje vive, sobretudo a crise Mundial, as guerras e as conflitualidades internacionais” surgidas nos últimos tempos, como o diferendo territorial entre a Ucrânia e a Rússia.

“É a primeira vez que se reúne este Conselho Mundial na Europa e, portanto, a proximidade das relações entre a Europa e a América Latina é um dos pratos fortes, inclusivamente vamos ter cá um alto representante das Junta da Andaluzia e um alto representante do Governo da Argentina”, disse ainda o autarca de Vila Real de Santo António.

Pub