Pub

Visto que nos últimos dois anos não tiveram lugar quaisquer cursos de formação na região, a adesão aos que foram lançados agora foi muito grande.

Deste modo, iniciou-se em 30 e 31 de Outubro dois Cursos de Introdução Pedagógica (CIP), em simultâneo, devido ao numeroso grupo de formandos inscritos. Assim, o curso, sob a direcção do chefe Edgar Correia, conta com a participação de 27 formandos e o curso, sob a direcção da chefe Rosalinda Lourenço, conta a participação de 28 formandos. O CIP é o curso de formação que prepara os futuros Dirigentes do CNE, o que revela que a par do crescimento do efectivo da região, que já ultrapassou os 2000 escuteiros, também tem vindo a crescer o número dos dirigentes que acompanham e põem em prática a pedagogia de desenvolvimento destes mesmos escuteiros.

No passado fim-de-semana, de 27 e 28 de Novembro, realizou-se a segunda sessão do curso, no Centro Pastoral e Social de Ferragudo. A terceira terá lugar nos dias 8 e 9 de Janeiro e a quarta e última, em regime de acampamento, realizar-se-á nos dias 12 e 13 de Fevereiro.

No que respeita à formação dos elementos mais jovens do CNE, tendo em vista a aplicação do novo Programa Pedagógico que entrou em vigor neste ano escutista, a Secretaria Pedagógica da Região com as Equipas Regionais de Secção promoveram a realização de vários Cursos de Guias, onde, a partir de jogos e ateliers se procura formar os guias e sub-guias em aspectos essenciais para o funcionamento e desenvolvimento da vida dos bandos, patrulhas e equipas.

Assim, nos dias 13 e 14 de Novembro realizou-se o Curso de Guias da II Secção (Exploradores/Moços), em São Brás de Alportel, com a participação de 156 guias e sub-guias de Patrulha/Tripulação; nos dias 20 e 21 de Novembro realizou-se o Curso de Guias da I secção (Lobitos), em Faro, com a participação de 137 guias e sub-guias de Bando; nestes mesmos dias, no Cerro de Ouro, Paderne, realizou-se o Curso de Guias da III Secção (Pioneiros/Marinheiros), com a participação de 80 guias e sub-guias de Equipas/Equipagem.

Esta forte adesão aos diferentes cursos “mostra-nos que a formação era uma necessidade e um desejo muito grande já expressada há bastante tempo pela região”, afirmou o chefe regional, José Cercas Vicente, acrescentando que “embora esta seja apenas uma etapa de um caminho a trilhar, sentimo-nos satisfeitos com a adesão de todos, pois uma região que não está em permanente formação corre o risco de parar e se deformar”.

Pub