Pub

Antes mesmo da apreciação e votação dos orçamentos e planos, interveio o assistente da região, padre António de Freitas, numa breve saudação que fez à região, afirmando que a sua missão centra-se em “garantir a fidelidade do Escutismo católico, constituído por pessoas concretas, aos seus princípios fundadores”. “Há que reacender em nós a alegria que marcou o dia da nossa promessa”, afirmou, exortando a que todos façam o “esforço de recuperar o que verdadeira e puramente caracteriza um dirigente para maior bem daqueles e daquelas” a quem servem. “Se não fizermos este acto de fé de olhar para o nosso serviço como missão emanada de Deus e para as nossas qualidades como dons preparados em nós por Deus, a nossa existência como dirigentes no CNE adultera-se, turva-se e perde em absoluto o seu sentido”, acrescentou.

Seguiram-se outras intervenções de conselheiros presentes e, terminadas as mesmas, procedeu-se à apreciação e votação dos Planos e Orçamentos para os anos de 2010 e 2011. Neste sentido, interveio o chefe Regional, João Cercas, sublinhando que “é uma mais-valia para a região e para os agrupamentos, em particular, disporem de uma região organizada a médio prazo, porque também assim os agrupamentos se poderão organizar”. “Daí propormos, primeiramente, a aprovação de dois Planos e Orçamentos em simultâneo, o do ano em curso e o de 2011. Desta forma, todos saberemos com o que poderemos contar nos próximos tempos: utilizando a nossa linguagem escutista, teremos uma bússola que norteia o nosso rumo que deve sempre ser feito em grupo e não cada um por si, tal como ensinamos aos nossos escutas”, acrescentou, salientando que “no que se refere aos Planos de Actividades, pensamos permitirão concretizar os objectivos que consideramos fundamentais: por um lado, a aposta na formação e por outro a dinamização de variadas actividades destinadas aos associados, as quais permitirão reforçar a união e cooperação entre todos”.

A sua intervenção terminou referindo que “não se constrói e não se dinamiza uma região com passivos espectadores, mas sim, com dirigentes e caminheiros activos, participativos e empenhados no crescimento da mesma região”. Assim, sendo colocado ao escrutínio do Conselho Regional, o Plano da Junta Regional para 2010 foi aprovado com 66 votos favoráveis e o Plano da Junta Regional para 2011 foi aprovado com 58 votos favoráveis.

Pub